Minha Primeira Vez Com Prazer

Minha primeira vez com prazer

Meu nome é Rebeca, tenho a pele morena, cabelos lisos castanhos, peitos medianos, e uma bela bunda.

Tinha começado a namorar Luiz há uns 3 meses. No começo ele era todo ‘santinho’, disfarçava e tentava passar a mão em mim, mas eu era ingênua, brigava com ele por medo de ele me achar puta, ou de ele me difamar quando terminassemos. Mas no fundo eu queria, mas a vergonha e o medo era maior.

Luiz, era alto, forte e loiro. Eu sabia que ele não era virgem, mas nunca tinha coragem de tocar nesse assunto com ele. Até que um dia ele começou a tomar iniciativa e começamos aos poucos a conversar sobre o assunto. No começo, eu ficava muito nervosa e nem conseguia falar direito, mas depois eu me acostumei.

Um dia, fomos a casa dele. Não havia ninguém lá, assistimos um filme de romance no quarto dele, e quando o filme acabou, os beijos foram começando a ficar mais quentes, e pela primeira vez, deitei em uma cama com ele. Eu ficava desesperada, e mandei ele parar. Então ele disse que era pra mim ficar ali deitava assistindo televisão que ele iria tomar banho. Quando ele voltou, estava só de toalha e veio em cima de mim, os beijos estava quentes, no fundo eu queria, mas morria de medo. Vi o penes dele, e desde desse dia, eu não consegui mais pensar em nada a não ser a oportunidade que eu havia perdido.

Logo depois em um churrasco no prédio de um amigo do Luiz, fomos para escada de incêndio, e lá eu comecei a deixar ele passar a mão. Minha vagina estava toda molhada, latejando de tesão. Estava com uma blusa tomara que caia, e uma saia. Lá ele puxou a minha blusa pra baixo e apertava meus seios com vontade, e isso me deixava louca. Ele beijava meu pescoço e ia descendo até meu peito, e chupou com vontade. Abaixou o ziper da minha blusa com os dentes, e chupava um peito de cada vez. Depois descia, e lambia todo meu corpo com vontade. Eu tentava impedir, mas a vontade era tanta que eu não conseguia. Ele puxava minha saia pra cima, e tentava tirar minha calsinha, neguei, pois achei que lá poderiamos ser descobertos. Então, fomos para minha casa, era fériado, e meu pais estava viajando, e fomos direto para o quarto deles. Luiz me jogou naquela cama enorme, tirou minha blusa, e minha saia. Fiquei só de calsinha, morrendo de vergonha, mas a vontade era maior e deixava ele fazer o que queria. Eu gemia, ele também. Ai ele, ja sem camisa, chegou no meu ouvido e falor sussurrando ” gostosa, me deixa fazer o que eu quizer de você, deixa vai..?”. Eu enloqueci quando ele disse isso, e não queria fazer feio, principalmente sabendo que ele ja havia tido outras experiências. Queria ser a melhor pra ele, e no fundo eu não era santa e ele sabia disso, então eu começei a beijar ele todinho, lambia seu pescoço, sua orelha e ele gemia que nem uma mulher. Ele tirou a calsa, e tirou a penis pra fora, e enquanto ele beijava meu corpo, pegou minha mão e colocou no penis dele, e me fazer bater uma punheta para ele, e com a outra mão ele foi tirando minha calcinha. Quando ele tirou totalmente, eu parei de bater, ai ele tirou totalmente a cueca dele e falou no meu ouvido ” por que você nunca tinha me mostrado esse seu lado safada en.. gostosa, sou todinho seu, faz o que você quizer de mim minha delicia!”. Nessa hora, ele me deu um beijo na boca, puxou meu cabelo e foi arrastando minha cabeça por todo o corpo dele me fazendo o beijar. Beijei os mamilos dele, e ele gemia e gritava ” assim, sua gostosa, assim, vai..”, e ele ia arrastando mminha cabeça pra baixo, até chegar ao penis. Não tive dúvida do que fazer, e chupei com vontade. Fiquei um bom tempo chupando aquela coisa gostosa. Até que ele puxou meu cabelo novamente, e foi beijando meu corpo todo até minha vagina e lambeu com força, e eu sentia uma maravilhosa sensação, uma coisa inesplicável, eu gemia e gritava de prazer. Foi a melhor coisa que havia me acontecido foi aquela chupada. Quando ele levantou a cabeça, me olhou com aquela cara de safado, e me colocou em cima dele, fazendo assim, eu ter minha primeira penetração. Na primeira hora, doeu um pouquinho, nada que eu não pudesse aguentar, mas depois, essa dor foi se transformando em prazer, e quando estava quase gozando, ele gozou dentro de mim, e continuou estimulando meu clitores, até eu gozar. Foi incrivel, maravilhoso! Dormimos, e quando acordei, ele me levou um café na cama.

Depois desse maravilhoso café, fizemos tudo outra vez.

O problema é que eu fiquei grávida, mas não me arrependo.

Eu e Luiz estamos casados a 4 anos, e nunca caimos na rotina. Cada dia é uma surpresa e uma fantasia. Todo dia é festa. Amo meu marido.

Contos relacionados

Minha Mulher Assumiu

Hj minha mulher levo o ex dela pro motel e conto tudinho oq faco?

Encoxando No Onibus Lotado Em Bh.

Me arrumo para sair e a única coisa que penso é em encontrar uma mulher que possa compartilhar esta deliciosa perversão. Caminho com passos largos e sinto a excitação tomar meu corpo e algo crescendo entre minhas pernas, ao chegar no ponto de onibus a...

Gozaram Na Calcinha De Minha Esposa

GOZARAM NA CALCINHA DE MINHA ESPOSA SOU CASADO A 10 ANOS E SEMPRE TIVE A FANTASIA DE VER MINHA ESPOSA ENTRANDOEM OUTRA VARA. ELA, NEGRA LINDA CORPO SARADO 30 ANOS DE IDADE. CERTA VEZ TIVE A IDEIA DE CONVIDAR UM AMIGO PARA VIR AQUI EM CASA BEBER COM AGENTE....

Porno

Porno Olá me chamo Felipe e minha mulher Andréia 1,60alt, loira pele branquinha. O que irei conta aqui pra vocês aconteceu no carnaval de 2012 fui algo que nunca pensei que veria mas aconteceu. Bom na vespera do carnaval fomos ao sitio que vamos...

Esposinha E Sogra Sodomizadas A Bordo

Zelia está viúva há quase seis meses. O filho a conveceu a fazer um cruzeiro marítimo. Pediu a esposa Ana que  acompanhasse a mãe, já que ele ainda tinha muita coisa a resolver na fábrica desde da morte do pai devido a um acidente de carro. Zélia...

Sou Casado E Dou O Cú Para O Meu Irmão

Sou casado e dou o cú para o meu irmão Bem.Hoje sou casado e bem casado mais voltando um pouco atrás, sou de uma família tradicional e era muito amigo de meu irmão gostava muito dele cuidava de tudo pra ele e muitas às vezes ele judiava um...