Antes Anal A Tarde Do Que Nunca!

Antes anal a tarde do que nunca!

Conheci Vanessa (nome ficticio) num site de relacionamento. Morena, fofinha, 1,65 de altura, quadril exg e seios fartos, me chamou a atenção numa comunidade deste site. O título do perfil dela éra “quero sair da rotina”. Exatamente o que eu estava precisando, sair da rotina. Casado há 4 anos sendo extremamente fiel, sem mesmo olhar pros lados, já estava saturado de “arroz com feijão” todos os dias. Minha esposa de criação evangélica, cheia de tabús, nunca permitiu que eu tocasse ao menos seu cuzinho, nem sequer encostar meu pau na sua boca, além transar somente na posição “papai-mamãe”, nunca rolava um 69, nem mesmo um vaginal de 4. Fiz de tudo, tudo mesmo, do convencimento a sedução, mas nada funcionou (hoje sei a razão, mas fica prá outro dia).

Desde o primeiro contato expliquei para Vanessa que sou casado. Ela não se importou e explicou que com apenas 18 (tinha 21 na época), já teve um relacionamento com um casal. Durante as conversas por chat e telefone ela me deixava louco de desejo, quase subia nas paredes de tanto tesão. Ela me mostrou algumas fotos e com aquele quadril enorme eu já imaginava que alguém já houvesse pego ela de 4 e a enrabado, pois é irresistível. No primeiro contato já perguntei de quais formas de sexo ela gostava. Respondeu-me, gosto de tudo. Repliquei. Inclusive analá Com certeza, disse ela. Quase gozei diante do computador. Minha esposa nem desconfiava do que eu ia fazer quando saía nos finais de semana. Eu dizia que ia jogar futebol com amigos, deixava-a na casa da minha sogra e corria prá Lan House.

Vanessa me deu dois “bolos”. Na primeira vez ela disse que o nosso encontro seria na semana seguinte. Fui ao local combinado, mas ela não apareceu. Escrevi um e-mail para ela perguntando o que houve e ela disse que achava que eu não iria pois ficamos sem contato uns 3 dias antes da data. Mais uma semana de punhetas no chuveiro gemendo e sussurando baixinho o nome dela. Na segunda vez, ela passou por mim sem que eu a visse e ela disse que ficou envergonhada, mas eu a tinha visto, só fiquei sem graça pois ela havia passado direto e eu não tinha certeza se era ela. E mais uma semana, com a cueca melada, batendo punheta e delirando com o dia em que a pegaria de 4. Nossos encontros sempre foram nos sábados à tarde. Na terceira vez ela apareceu, deliciosa, maravilhosa, com uma calça jeans preta colada, definindo bem suas curvas, repartindo sua buceta carnuda e uma blusinha pink também colada com um decote “V profundo”, parecia que os seios saltariam prá fora vindo na minha direção. Ela me deu um abraço apertado, como se estivesse encontrando um velho amigo. Enlouqueci quando abracei-a e cheirei seu pescoço. Após o abraço ela parecia estar com pressa. Fomos rapidamente para o motel. Quando fechei a porta ela me abraçou e me beijou na boca e com uma das mãos começou a alisar meu pau. Que tesão….tiramos as roupas e deitamos na cama e ela disse: “Se eu soubesse que você éra tão gostoso assim, tinha dado um jeito de vir antes”. Fizemos todas as preliminares (depois em outro conto minhas especialidades desenvolvidas para seduzir minha esposa mas que me ajudam em outras situações). Ela enlouqueceu de prazer e gozou antes mesmo de eu a penetrar…(Neste momento tirei minha dúvida em relação a minha esposa, pois soube que o problema não éra eu.) Após gozar ela virou-se de bruço na cama e disse: “Quero mais, vem, tem que fazer arder!”, puxei-a pela cintura tranzendo para trás até a beira da cama e ela empinou aquele “rabão” maravilhoso prá eu meter. Até que enfim realizei meu desejo, de enrabar uma mulher de 4. O cuzinho dela éra tão apertado que tive que empurrar devagar mas com muita força. Meu pau não é comprido (18cm), mas é bem grosso com a cabeça bem grande e grossa. Ela então começou a dar uns gemidos e forçar o cuzinho dela para trás e eu empurrando meu pau nela, senti e ouvi um barulhinho quando a cabeça entrou…foi assim, sem gel, sem nada, na carne mesmo queimando o cuzinho dela , conforme eu havia prometido a ela pela internet. Ela gemeu e gritou de tesão quando entrou. Fui enfiando de vagarinho até o final, no final ela disse que estava sentindo minhas bolas encostarem na buceta dela. Segurei na cintura dela e comecei o movimento que delícia, o cuzinho dela por dentro, parecia um tubo de veludo, macio e apertado. Ela gemia feito deliciosamente pedindo prá fuder mais rápido. Como foi a primeira vez não tirei de dentro quando gozei, queria ter a sensação completa. Após gozar deitamos na cama e ela veio até meu pau e começou a lamber e chupa-lo como se estivesse limpando ele e sugando as ultimas gotinhas que estavam no meu pau e me disse: “Você merece”. Depois fizemos 69, vaginal, espanhola e tudo mais, tivemos esse romance durante uns 3 meses. Depois começou a namorar com um evangélico se converteu e não quis mais saber de mim. Soube que deixou o namorado e a igreja e voltou a sair com um casal. Sinto saudades dela….Gostaria de achar alguém com o mesmo fogo e desejo que ela ou quem sabe ela.

ronaldosp1974@hotmail.com

Contos relacionados

Sem Querer....foi Uma Delícia!

Sem querer....foi uma delícia! Sou bem casada , 2 filhos.....2 filhos e marido que tem muitos afazeres. Os meninos cada um já tem suas coisas, meu marido trabalha muito e estávamos em pleno mês de janeiro. Convidei uma amiga para passarmos...

Todo Mundo Merece Um PAUlinho....

Todo mundo merece um PAUlinho.... Todo mundo merece um PAUlinho.... Meu nome é Kellynha (morena, 1, 65, coxas grossas, toda carnuda, seios fartos, bumbum médio), esse é meu primeiro conto e vou relatar a vocês como conheci esse homem...

Com Quantos Eu Fiquei No Carnaval?????

Eu havia combinado com mais duas amigas de irmos curtir o carnaval em uma cidadezinha de minas gerais onde moravam os meus avos, durante a folia foi aquela azaração e no dia seguinte passávamos horas comentando sobre esse ou aquele gatinho, quem se deu bem...

Um Baseado E Um Orgasmo Multiplo

Me chamo J, 22 anos, loira e 1,62 de altura, seios médios e redondos, coxas e bunda definidas,venho contar uma historia minha e da minha namorada com quem ja estou a 2 anos, magra, olhos claros, seios pequenos, cabelo grande e achocolatado, foi em uma tarde...

O Prazer De Ser Corno: Corno Submisso (1)

O Prazer de Ser Corno: Corno Submisso (1) Conforme o relatado em "O Prazer de Ser Corno: Terceira (e Quarta) Vez", nos preparamos para encontrar os dois machos de Mônica naquele fim de semana. Ajudei minha esposa, tanto com as três enrabadas para...

Loura e morena transando gostoso

Meu nome é Tatinha e o que vou contar aconteceu a alguns anos atras, nessa epóca eu trabalha em um shoping,eu morava com um namorado mas ja viviamos como quase amigos dentro da mesma casa , mas voltando ao assunto eu trabalhava em uma loja no shopping e...