O Seguro Cobre

Em angra dos reis existem muitas entradinhas particulares as margens da rodovia rio santos a maioria levam a pequenos condomínios ou a belas mansões de veraneio, a maioria é protegida por arbustos e arvoredos que só os proprietários ou moradores locais as conhecem. Estava indo para a minha casa e a uns trinta metros de um retorno vi uma mulher pedindo carona. Passei direto mas ao entrar no retorno tive que esperar o fluxo do transito para cruzar a rodovia e me assustei quando inesperadamente a porta do meu carro se abriu, enquanto eu aguardava a passagem, a mulher que estava lá atrás veio e se sentou no banco do carona me perguntando para onde nos iríamos. Como eu não a conhecia, não havia essa historia de nos e rapidamente comecei a pensar, o que uma mulher bonita estaria fazendo ali sozinha no meio do nada, pedindo carona em uma rodovia sem saber para onde quer ir e para ela poder sair do meu carro eu tentei lhe assustar dizendo que eu iria lhe levar para um lugar deserto para foder o seu cu e ela simplesmente sorriu olhando para o meio das minhas pernas e logo em seguida tomou a iniciativa de apalpar o meu cacete dizendo que isso seria ótimo. Mediante a essa situação eu fiquei completamente sem rumo e ao invés de cruzar a pista eu tornei a colocar o carro na rodovia e fui seguindo lentamente no sentido a santos ate que eu passei por uma dessas estradinhas, avaliando visualmente o lugar que parecia ser perfeito, contornei e acessei essa estradinha estreita ate chegar numa curva em frente a um imenso portão, morro de um lado, penhasco com vista para mar do outro e uma densa vegetação que nos ocultava da rodovia nos permitindo apenas escutar os sons dos veículos que passavam em alta velocidade. Assim que eu parei o carro ela saiu, foi de um lado para o outro elogiando a beleza daquele lugar depois parou na frente do carro e começou a se despir, jogando a sua blusa no pára-brisa do carro, eu usei o limpador para remove-la e assim que a blusa saiu ela já estava arremessando a sua calcinha no pára-brisa. Com os peitinhos de fora e usando apenas uma saia ela sensualmente usava os dedinhos para me chamar e prontamente eu sai do carro ao seu encontro, mas ela correu no sentido ao contrario do carro e lá do outro lado ela se curvou levantando a saia me exibindo a sua linda bunda redondinha e a sua bela xoxota rosada me perguntando se eu queria foder o cuzinho dela, depois ela trepou na mala do meu carro mandando que eu tira-se logo a minha roupa, lambeu um dedinho e enfiou em baixo da sua saia enquanto mordia os lábios e usava o dedinho da outra mão para me chamar. Enquanto eu me despia ela se deitou de costa sobre o teto do carro ficando com a sua cabeça voltada para baixo no pára-brisa e quando fiquei nu trepei no capo do carro e fui atrás dela, ela começou a me chupar mas com a sua cabeça apoiada no pára-brisa eu estava praticamente fodendo a sua garganta que de tanto se engasgar a deixou com o rosto todo vermelho, os olhos cheios de lagrimas e a cara toda babada, por fim acabei me deitando sobre ela e iniciamos um delicioso meia nove ate escutar o teto do meu carro se amassando com o nosso peso, rapidamente quis sair dali para não piorar as avarias mas ela ficou de quatro sobre o teto do carro me pedindo para foder o seu cu. Excitado eu meio que esqueci do prejuízo do meu carro e me preparei para foder o cu dela lá em cima quando escutei o barulho de um carro atrás de nos, era uma caminhonete preta de vidros escuros que se aproximou suavemente e eu só percebi quando o radiador ligou para refrigerar o ar condicionado. Desci rapidamente chamando-a para descer também, mas ela insistia em continuar de quatro lá em cima me chamando para lhe foder e tentou me tranqüilizar dizendo que quem estava no outro carro era o seu marido, falando que ele gostava de lhe ver fodendo com outros homens. Se já estava sendo uma aventura insana e nada incomum encontrar com uma linda mulher desconhecida para fazer sexo em cima do teto do meu carro, ao ar livre e as margens de uma rodovia o que dizer de fazer tudo isso com o marido dela nos assistindo a uns cinco metros de distancia de dentro do seu carro, aquilo era muita loucura para mim, sentia o meu corpo tremer de nervoso enquanto me vestia rapidamente e só pensava em sair o mais rápido possível dali mas como a estradinha era estreita eu só poderia sair se o marido dela desse marcha re na caminhonete, enquanto eu estava me vestindo ela desceu e foi ate a camionete, o motorista arriou o vidro somente o suficiente para falar com ela, em seguida a caminhonete começou a acelerar roncando o motor enquanto se aproximando do meu carro, desci do carro em desespero quando ele encostou na traseira e começou a empurrar o meu carro na direção do penhasco. Assim que parou de empurrar a mulher tornou a subir e ficar de quatro em cima do meu carro dizendo que se eu não fode-se com ela o marido dela foderia com o meu carro. Eu estava nervoso e já havia perdido o tesão pela aquela foda, a essa altura eu só conseguia ver os prejuízos no meu carro e ela voltou a subir no teto do meu carro e de quatro me chamava para lhe foder, eu olhava para aquele rabo indeciso e demorei agir, mas ao escutar o ronco do motor da caminhonete acelerando prontamente subi no carro, dessa vez eu não me despi, só coloquei o cacete para fora da calça e tentei meter no cu daquela vagabunda, mas o meu cacete estava em meia bomba e ficava dobrando sem que eu consegui-se romper a pressão daquele cuzinho, então ela se deitou de frente para mim e abriu as pernas mandando eu meter na sua xoxota aos poucos aquele entra e sai foi deixando o meu cacete bem rígido e novamente eu tentei enfiar naquele cu, dessa vez o meu cacete foi rompendo a pressão do cuzinho dela e então eu comecei a socar sem piedade no cu daquela vagabunda escutando o teto do meu carro estalar com a nossa foda, sem clima eu demorei a gozar ainda mais que as vezes ela me pedia para tirar e arregaçava a bunda para que o seu marido lá da caminhonete vise o seu cuzão todo arrombado, mas ela gozou varias vezes esfregando a sua xoxota enquanto eu fodia o seu cu, eu desci depois que eu gozei e ela ainda continuou lá em cima arregaçando o cu para cagar a minha porra depois desceu pelo outro lado e entrou na caminhonete fiquei alguns minutos ali sozinho sem saber o que fazer tentando imaginar o que deveria estar se passando lá dentro da caminhonete e só poderia presumir que ela deveria estar chupando o marido para que ele também goza-se, isso logo se confirmou quando ela saiu pela janela da caminhonete com a cara toda melada de porra enquanto o veiculo dava marcha ré, me arremessando um cartão dizendo que o seguro deles cobriria o meu prejuízo.

Contos relacionados

Comendo minha mae gostosa

Comendo minha mae gostosa - ENCOXANDO A MAMÃE - I Eu sou o Ricardo, estudante, moreno, 1,80m. 78kg, cabelos e olhos castanhos claros, 18 anos, as garotas me acham bonito. A minha mãe, Ana Clara, viúva, comerciante, morena clara, cabelos castanhos bem...

Dando Pro Meu Negão

Dando pro meu negão Acabei de fazer 18, tenho seis médio, quadris fartos e contira fina, namoro um rapaz mais velho que eu, ele tem 23 anos e bem mais experiência. Ele veio aqui em casa buscar um documento dele que estava comigo, ficamos...

Meu Sonho De Consumo

Nair é minha colega de trabalho. Sempre tive muito tesão por ela que tem seios grandes, é de pele clara com 1,70 de altura mais ou menos.Sempre imaginei ouvir seu gemidos na hora em que ela estivesse gozando. De vez em quando dava uma roçadinha de leve...

Dama Na Rua Puta Na Cama

Meu nome é Daniel tenho 25 anos e tenho uma vizinha que sempre vai para igreja com seus pais aos domingos, nome dela é Letícia e ela tem 19 anos, é branca de cabelo longo castanhos e com um corpo delicioso.....Um certo dia eu estava na porta da minha casa...

Minhas Garotas

Minhas Garotas Eu sempre vivi às custas das mulheres. Comecei com a minha. Ela ocupa um bom cargo num grande banco, ganha muito bem, e eu de vez em quando, trabalho como corretor. Trabalho bem pouco na verdade, porque a vida é muito boa para que...

Delícia Negra

Delícia Negra Eu já contei neste site sobre a primeira vez em que comi um cuzinho bem gostoso, foi quando pulei a cerca e transei com a Vanessa (nome ficticio) da zona leste de São Paulo, no conto "Antes anal a tarde do que nunca". Agora vou...