Sexo com o amigo dela

Cornos 2420
Certa noite, estávamos deitados lendo alguns contos de swing, ménage e ao acariciar sua buceta, senti que ela estava escorrendo de tesão, então, perguntei qual era o motivo de tanto tesão. Ele me olhou e disse: Essa história está me deixando com muito tesão. Eu, sorri e enfiei o dedo na boceta dela. Aquilo fez com que ela se contorcesse de tesão, passando a rebolar na minha mão. Então perguntei.
– Você imagina, ou já imaginou, enquanto transamos, estar dando para outro cara?
Ela olhou para mim, acariciou minha rola, sorriu e me respondeu:
– Sim. Já imaginei sim.
– E esse cara tem nome, ou é alguém imaginário? Uma pessoa conhecida, alguém que você viu no metrô, no trabalho…?
– Promete que se eu disser você não vai grilar com a pessoa?
– Prometo. Sempre jogamos aberto um com o outro. Pode falar. Sem crise. De boa mesmo.
– É o Marcos, o que eu sempre falo sobre ele com voce. Ele não é nenhum gato, mas o jeito que ele me trata, me despertou esse interesse já há algumtempo. 
Marcos era um amigo dela da faculdade, tem uns 50 anos. Eu sempre notei que ela falava de uma forma diferente quando se referia a ele, mas nunca comentei nada porque não tinha certeza. Pelo que ela diz, parece ser uma pessoa muito legal, cabeça boa e amigão. Continuei a conversa, estava ficando interessante.
– Se rolasse um lance, você transaria com ele?
– Depende. Que lance?
– Como você sabe, de uns tempos pra cá, tenho imaginado você transando com um cara enquanto eu assisto. Isso me da muito tesão. Confesso que já imaginei isso algumas vezes. Imaginava Você transando e eu assistindo.
Dizia e dedilhava seu grelinho.
Ela sorriu e apertou meu caralho. Sem dizer nada aproximou sua boca da minha e nos beijamos.
– Você deixaria eu fuder com ele?
– Se fosse de comum acordo e se você quisesse muito isso… Eu toparia sim. Desde que fosse bem natural, nada forçado e, você curtisse o momento. Sem crise. 
– Vou te contar uma coisa. Teve uma vez que ele deu umas indiretas pra mim. Ele me disse que se eu não fosse casada, ele não ia se segurar não. Me deu muita vontade de ficar com ele, na verdade eu estou com muita vontade de ter ele pra mim, acho que estou gostando dele.
– Como assim? Só voce e ele? Gostando como?
– Sim, disse ela, gostando tipo amando. Não sei, isso é muito novo pra mim.
– Mas assim é muito complicado. Rolando um sentimento tão forte, com certeza vai dar problema lá na frente. Vamos pensar mais um pouco. De repende uma pessoa estranha seja melhor. Essa coisa de estar gostando, tipo amando, é meio louco pra mim.
– É pra se pensar. Mas não muito. E eu sei que é meio louco. Eu também estou assustada com a situação. rsrsrsrs
Ela sorriu e deslizou no colchão até chegar a boca no meu caralho. Naquela noite, tive certeza que ela estava fudendo comigo e pensando no Marcos, chupou e meteu como nunca tinha feito antes.
A semana passava lentamente. Nossa conversa ficava mais quente. Até que ela me disse: “Andei pensando nas nossas conversas. Se você topar e ele também, eu acho que rola transar com ele e você assistindo e até participando”.
Na mesma noite ela ligou pra ele, me apresentou e conversamos por um bom tempo. Ela também conversou bastante com ele. Nossas conversas passaram a ser diárias, as vezes pelo computador, com a câmera ligada e acabamos fazendo uma amizade legal. Entre uma conversa e outra ele deu a deixa para começarmos a falar sobre o assunto. Em uma de suas mensagens ele escreveu: “Você continua linda Vivian! Ah se você não tivesse esse defeito, fosse casada com meu amigo!!! Isso era tudo o que precisávamos para começar a envolvê-lo em nosso plano.
“Ser casada com seu amigo não quer dizer nada. Você não sabe o que curtimos”.
Ele respondeu com alguns KKKKKKKKKKKKKK.
“Está rindo do que? Depois de 13 anos de casados, algumas coisas começam a fazer parte da vida do casal”.
Logo veio a resposta dele: “Não… Eu não teria coragem de sair com você e trair a confiança do Roberto”.
A conversa estava tomando a direção certa.
Aí ela escreveu “quem está falando em trair. As coisas acontecem tudo com consentimento mutuo. Sem traição. Tudo no jogo aberto”.
“Então…como assim jogo aberto??
“Então o que? Você quer saber se somos um casal liberal? Sim, somos. 
Ele respondeu de imediato: “Acho muito bacana. Tem tantos casais com problemas de traição, isso é a melhor saída. Tudo as claras e com consentimento, sem crise”.
Aí ela disse “Mas e você, já teve ou tem vontade de ter alguma experiência assim?” 
Ele não perdia tempo: “Depende… A pessoa teria que ser muito legal e me causasse tesão. O que é o seu caso”.
Agora seria o tiro de misericórdia, ou ele topava ou caia fora de uma vez por todas.
Pedi pra ela responder pra ele: “Quem sabe não podemos combinar uma pizza e conversar mais a respeito. “
Lá estava a resposta dele piscando no monitor do computador: “Pode ser amanhã, ou hoje mesmo se vocês puderem. Esse assunto está muito interessante”.
“Preciso falar com o Roberto. Não é assim!!!! Vou falar com ele e amanhã nos falamos. Ela completou dizendo que eu estava no banho, mas que conversaria comigo e daria uma resposta pra ele.
Depois que ela enviou a mensagem, rapidinho ele respondeu, e com a resposta um pedido: “Tudo bem! O jeito é esperar. Jura que vai me ligar? Fala com o Roberto!” 
“Prometo que vou falar com ele e te ligo. Se despediram e, ela desligou o computador.”
Naquela noite a cama pegou fogo. 
Na tarde seguinte, era uma sexta feira, ela ligou para ele. Depois de se falarem ela me ligou e me disse que ele tinha combinado uma pizza no apartamento dele. A tarde se arrastou, demorou mais que o normal para passar. Quando cheguei em casa, por volta das 20h00, ela me disse que tinha combinado com ele entre 22, 22h30.
Tomamos um banho, ela se arrumou, nada sofisticado, uma roupa simples mas muito atraente. Vestiu um vestidinho um pouco acima dos joelhos, calço um tamanquinho de salto, arrumou os cabelos fazendo um rabo de cavalo, fez uma maquiagem bem leve, e seguimos para a casa do Marcos.         Quando chegamos a casa dele, nos cumprimentamos e ele a elogiou dizendo que, como sempre, ela estava linda. Deu um beijo no rosto no cantinho da boca. Ele vestia camiseta e uma calca de moleton (tipo abrigo esportivo) e dava para ver o tamanho do caralho que a esperava. Depois de comer a pizza, sentamos a sala, eu em um sofá pequeno e eles dois no sofá maior, e conversamos trivialidades, coisas da faculdade, etc. Depois de um tempinho decidi me afastar e deixá-los conversando um pouco a sós, disse que ia ao banheiro. Eles falavam baixinho, não dava pra ouvir o que era. Depois de um tempo comecei a ouvir barulho de beijo. Quando voltei a sala ele já estava sem camisa, passando a mão nas coxas dela. Eles se beijavam intensamente e nem repararam que eu havia voltado. Ele perguntou se ela queria uma massagem. Ela, claro, respondeu que sim. Foram então pro quarto e lá ela tirou o vestido, se deitou de bruços na cama e ele começou os trabalhos. Eu estava me deliciando com a cena. Ela gemia baixinho enquanto ele passava a mão por todo corpo da minha gostosa. Ela começou a alisar o pau dele por sobre a calça, virou de ladinho e puxou a calça dele pra baixo. O caralho duro dele saltou pra fora e ela rapidamente enfiou ele na boca. Ele deitou por cima dela iniciando um sexo9 69 delicioso. Ele lambia o grelinho dela, enfiava a língua e ao mesmo tempo, ela lambia, chupava mordia o caralho dele. Depois ela me confidenciou que adorou o pau dele. Eu estava sentado em uma mesinha ao lado da cama me masturbando bem devagar, curtindo o momento. Depois do 69, ele veio por cima dela e ficaram se abraçando e roçando os corpos um no outro, até que o pau dele ficou na entrada da buceta dela. Ela forçava o corpo pra ele meter, mas ele torturava ela. Esfregava o caralho, colocava a cabeça e depois tirava. Depois saiu de cima dela, deitou na cama com o caralhão apontando pra cima e chamou Vivian pra sentar nele. Que momento delicioso, ver aquele mastro sumindo dentro da buceta da minha gostosa. Ela iniciou então movimentos leves de vai e vem, e foi aumentando chegando a cavalgar ferozmente, gritando que o caralho dele era maravilhoso do jeito que ela imaginou, me perguntava se eu estava gostando. Eu não respondi nada, apenas mostrei meu pau duro igual a pedra e pingando de tesão. Ela mordeu os lábios e me chamou pra dar um beijo nela. Quando senti o cheiro do caralho do Marcos em sua boca, meu tesão foi nas alturas. Ela então desceu do pau dele e me pediu pra lamber sua buceta e que o Marcos enfiasse o pau na boca dela. Depois ficou de quatro e pediu pra ele meter bem forte na buceta dela. Como era gostoso ouvir minha putinha gemendo e gritando em outro pau. Eles gozaram juntinhos, e depois ela me chamou e punhetou meu pau até eu gozar na sua boquinha. Eles foram pro chuveiro, e do quarto deu pra ouvir eles conversando e rindo baixinho. Os beijos reiniciaram e do quarto eu ouvi eles fudendo de novo no chuveiro. Ela me gritou, me chamando para ir ao banheiro também. Quando eu cheguei ela estava apoiada na parede do banheiro e ele metia na buceta dela por traz. Ela me disse: 
– Olha meu corninho, como esse pau fode direitinho minha buceta arrombada. Que delicia de caralho!! Quero ele sempre dentro de mim!!
Realmente a cena estava deliciosa. Ele avisou que ia gozar de novo e ela ajoelhou e tomou o leitinho todinho. Depois pediu pra tomar um banho sozinha. Eu e o Marcos fomos pra sala e conversamos sobre o acontecido. Ele comentou de como Vivian é deliciosa. Tomamos umas cervejas até ela se juntar a nós. Ela chegou e foi direto pro colo dele. Se beijaram e continuamos conversando. Me levantei pra ir ao banheiro. Tomei um banho e quando voltei, a cena era deliciosa. Ela estava sentada de costas, no caralho dele. Cheguei mais perto,comecei a lamber o grelinho dela enquanto ele metia o caralho. Ela apertava minha cabeça na buceta dela e gritou me mandando meter na buceta dela junto com o Marcos. Me ajeitei e coloquei bem devagar, pra poder sentir toda penetração. Iniciamos um vai e vem delicioso. A sensação de meter na buceta dela junto com outro caralho foi indescritível. Ela me beijava, virava pra traz e beijava o Marcos. Foi delicioso! Quando ela disse que estava gozando, foi a senha pra gente gozar junto com ela. Mais uma chuverada e nos despedimos. Ela deu um beijão nele fomos embora, prometendo repetir a dose. Só que agora ela quer encontrar com ele sozinha. Estou muito receoso com essa situação, mas como ela disse, “Vamos conversar e ver o que acontece”.