Um Peru De Natal, A Fodida

Um peru de Natal, a fodida

Vocês já devem ter lido sobre as minhas fodidas com o Augusto. Lhes digo que são fatos reais, uso o espaço como uma espécie de diário… gosto de compartilhar os momentos com quem gosta e se deixa levar por toda esta energia gostosa da safadeza…



Pois bem, passamos o Natal na casa de minha sogra. Uma casa linda, com várias dependências… mas que sinceramente não valem de nada… não para oq gostamos de fazer…. tudo que oferece risco é mais gostoso….



Como sempre ousei na roupa a fim de presentear meu maridinho 50então… não me importo com oque os outros irão pensar, gosto de saber que o Augusto gosta de ver e de exibir…

Pois bem, para a noite escolhi uma mini-saia branca, uma blusa com detalhes em cetim a qual  deixaram meus seios em evidência.



Ao chegar na sala pude notar os olhos famintos de Augusto… mas ele não podia imaginar que por baixo da saia não havia nada… o que só iria descobrir mais tarde….



Começaram a chegar seus parentes… primos, irmãos, sobrinhos… as respectivas mulheres me olhavam com inveja, mas modesta parte…. estava fatal… diferente delas, esposas puritanas, que só se soltam quando fechadas entre 4 paredes.



Minha sogra é uma santa, não repara em nada, me exibe com orgulho já que faço os caprichos dela… não como uma nora puxa-saco, mas a velhinha é realmente uma fofa e se não fosse pelo capricho dela na sua juventude não teia o filho dela, bem dotado em meus braços e em outras partes também…



foi após a meia noite, após todos se cumprimentarem que sentei no sofá, oposto ao de Augusto e abri minhas pernas…. com intuito dele observar com exatidão que aquilo era para ele… foi quando se levantou, seu pau enrijecido dentro daquela bermuda…. e me chamou para um canto do jardim… parecíamos dois adolecentes no ápice do tesão…. próximo ao salão de jogos co meçamos a nos beijar… coloquei a mão dele por baixo da minha saia, fazendo com que ele acariciasse o que desejasse…. a temperatura ce nossos corpos foi aumentando, a respiração ainda mais ofegante… gostamos de correr riscos… apesar de que, segundo ele, estávamos a sós. Logo, ele deixou claro que queria mais… disse comtodas as letras que desejava que eu provasse do seu peru naquela noite tão especial. 



Enquanto ele se despia, já estava ajoelhada procurando o meninão… brinquei um pouquinho com ele, até começar o processo de sucsão…. uma delícia…. logo, ele me levantou, me deitou sobre uma mesa de sinuca que estava próximo e lá ouvimos os sinos baterem…. me penetrou profundamente, chupou meus seios, acariciou todas as partes do meu corpo…  fiquei de quatro sobre a mesa e ele trepando igual a um cachorrinho selvagem… 

Isto tudo enquanto todos estavam reunidos na sala para a ceia.





De forma gulosa ceiamos ao ar livre, sobre o luar…ao nos darmos conta, começamos a rir…. caminhamos nús até a piscina, pegamos uma champagne no bar e lá ficamos nos acariciando, hora dando uma trepadinha de leve, daquelas qu só a cabecinha encaixa…. enquanto as crianças brincavam na sala com os demais convidados… inocentemente…