Tarada Por Sexo.

   Meu nome fictício é Luanna, tenho 20 anos e sou magrinha; bundinha durinha, peitinhos bem firmes e pequenos. Perdi minha virgindade aos 16 anos, desde então não fico mais sem.

     Ano passado vim morar com uma amiga, Luana. Desde então saímos todos os finais de semana. Entre uma dessas saidinhas conheci Lucas; moreno claro, magrinho, cabelos negros… Do jeitinho que eu gosto ! Eu estava dançando, quando ele chegou em meu ouvido e perguntou se eu estava sozinha, eu mal respondi e ele já me puxou para um canto escuro. Ele me puxou mais uma vez pela cintura, agarrou nos meus cabelos e me beijou… Caralho, que beijo. Ele me beijou tão gostoso, que comecei a ficar roda molhadinha de tesão. Começamos a nus esfregar um no outro, quando senti o pau dele sarrando em mim, muito duro. Meus peitinhos ficaram durinhos, e eu só me arrepiava com cada esfregão. Como eu não sou de mandar recado e costumo mandar na “lata”, falei no ouvido dele:

-Quero você.

Ele olhou pra mim meio surpreso e riu. Pegou em minha mão e me levou até a saída da balada ! Entramos em seu carro… Ele queria me levar pra casa dele, mas como não nus conheciamos muito bem decidi levar pra minha casa, afinal, estariamos sozinhos lá. 

    Enquanto ele dirigia eu ia acariciando o corpo dele, até chegarmos em casa. Quando chegamos tirei o shorts jeans e a camisa dele. Caralho, que corpo. Começamos a nus beijar, bem gostoso. Que tesão era aquele que estava tomando conta de mim, não via a hora de te-lo só pra mim. Ele finalmente tirou minha roupa. E começou a pegar na minha bucetinha que estava toda raspadinha e molhada enquanto chupava meus peitinhos que estavam muito duros.Tirei a cueca dele e surpresa falei :

-Caralho, que pica gostosa ! Quero chupar todinha.

-Chupa amor, é todinha sua.

Que rola hein, enorme. Eu imaginava aquilo dentro de mim e me arrepiava. Comecei acariciando bem devagarinho e abocanhei aquele pau gostoso, chupei como uma louca, chupava as bolas dele enquanto ele me acariciava e gemia pra mim. Depois ele chupou minha bucetinha, que chupada gostosa, que gosada maravilhosa.

   Depois ele meteu a rola dele em minha bucetinha, começou devagarinho e aumentando a penetração. Eu estava enlouquecendo de tanto tesão. Ele falou, com uma voz carinhosa :

-Deixa eu comer seu cuzinho, deixa.

-Vem, fode meu cuzinho, ele é todinho seu.

Caralho, ele enfiou aquela rola no meu cuzinho, que delicia, comecei a cavalgar pra ele, bem gostoso. Eu gemia feito louca. Estava maluquinha. Minha bucetinha latejava enquanto ele penetrava meu cuzinho apertadinho. Ele me comeu de ladinho, de costa, de quatro, de todas as posições possíveis. Foi uma tranza inesquecível, gozamos juntos.  Depois disso nus encontramos sempre, é cada vez melhor.

     Sou tarada nele ! Sou tarada em rola ! 

Contos relacionados

A Domicilio?

Faço de tudo um pouco e aproveitando a idéia do marido de aluguel, iniciei a minha pequena empresa. Agradar ao cliente é primordial para uma boa indicação e de boca em boca eu vou fazendo um serviçinho aqui e outro ali. Meu telefone tocou, a senhora...

Calcinha Japonesa

É curioso o raciocínio machista em dar utensílios domésticos para sua mulher no dia do seu aniversario, este ano eu reclamei com o meu marido e lhe disse que queria algo para mim, algo que me desse prazer em usar e não algo para nossa casa. Meu...

Banho E Sexo Zoo

Voltamos de umas compras, tarde quente de inverno, por volta de 15:00 hrs, disse a minha esposa, bom dar um banho nos cães, deixa-los cheirosos; ela me olhou com uma cara de safada dizendo: é né, o que vc está tramando, respondo: nada só banho nos cães,...

Fudendo Em Casa!!!

Na agitação de sábado à noite eu e meu namorado Celso fomos à boate da cidade para curtimos um pouco as férias dele, arrumei todo meu visual pra aquela noite que prometia muita badalação. Como combinado, as 23:00 horas, Celso passou em minha casa...

Transando Com O Primo Na Casa Da Vovó

Transando com o primo na casa da vovó Era mês de julho, época de férias, eu e meus primos costumavamos viajar para Ribeirão Preto sempre neste período para passar as férias na casa de nossos avós. Eu e meu primo Davi eramos os mais velhos...

Minha Tara (3)

Minha esposa era professora e diretora de uma grande escola estadual. Tinha a seus cuidados mais de 2.000 alunos e por consequência dezenas de professores. Quando das festas e comemorações eu era convidado a participar acompanhando-a. Pude observar belas...