Completamente Invadida

Sem ar condicionado o calor aqui no RJ parece a porta do inferno, tomei um longo banho e sai molhada vestindo apenas uma calcinha, depois de revirar na cama acabei adormecendo e como eu moro no terceiro andar não fechei as janelas acreditando estar segura na altura. Fui desperta por um barulho e só ergui a cabeça tentando apurar os ouvidos, apesar de não ouvir nada me levantei para ir ao banheiro e foi justamente quando sai do meu quarto que eu dei de cara com ele. Um homem negro, alto e magro empunhando uma arma, com o dedo rígido sobre a boca ele me pedia silencio e com o susto eu suguei o ar arregalando os olhos enquanto ele se aproximava. Sussurrou perguntando se havia mais alguém no quarto e eu apenas balancei a cabeça dizendo que não, quando ele se aproximou, me encostou o frio cano da sua arma enquanto espiava para dentro do quarto confirmando se eu tinha dito a verdade e sem conseguir conter o nervosismo eu acabei me mijando. Ele afastou-se e ficou me observando, seus olhos pareciam seduzidos com o meu pavor enquanto o mijo escorria de perna a baixo formando uma grande poça no chão, usei meus braços para tentar esconder a minha nudez sem ofuscar o brilho dos seus olhos e quando vi que ele parecia estar interessado em algo mais que no assalto, instintivamente olhei para o volume nas suas calças tentando prever o que me aguardava. Ele sorriu maliciosamente provavelmente entendeu o meu olhar como uma aprovação e mandou que eu relaxa-se os meus braços, fiquei toda arrepiada quando ele começou a deslizar a sua fria arma pelos meus peitos, foi descendo ela pelo meu ventre e depois a pressionou contra a minha calcinha dividindo ao meio os lábios da minha boceta, ficou friccionando para frente e para trás, e apesar de todo medo e nervosismo eu acabei me sentindo estranhamente excitada com aquela arma entre as minhas pernas. Ele percebeu o quanto eu me contraia tentando negar a minha excitação e continuou me explorando com a sua arma, se ajoelhou na minha frente e abaixou a minha calcinha afastando as minhas pernas, colocou uma delas sobre a perna dele, deixando a minha boceta completamente exposta e depois me introduziu a sua arma. Me segurei nas paredes do corredor, olhei para o teto tentando conter um gemidinho de prazer e mordi os meus lábios enquanto ele friccionava a sua arma, minhas pernas tremiam e eu me apoiei nas paredes para não cair, me atrevi a segurar os movimentos da sua mão mas já era tarde, ele continuou insistindo e eu acabei gozando na sua arma, completamente ofegante não tinha como negar o meu gozo, ele se levantou pressionando os meus ombros para baixo e quando eu fiquei ajoelhada na sua frente, ele foi diminuindo a distancia, se aproximou ate meu o rosto ficar quase colada na sua calça e eu logo entendi, ele queria que eu lhe chupa-se. Desabotoei a sua calça, desci o zíper e aquele mastro caiu sobre o meu rosto, tudo o que diziam sobre os homens negros parecia ser a mais pura verdade, era um cacete bem generoso o maior que eu já tinha visto, uma das minhas mãos não era suficiente para envolve-lo por completo e quase não coube na minha boca então, comecei a lamber aquele cacete e ele encostou a sua arma próxima do meu rosto dizendo chupa. Quando simplesmente ele disse chupa, eu não entendi que ele queria ser chupado, pensei que ele estivesse falando da sua arma e prontamente abocanhei a sua arma com gosto de boceta enquanto friccionava o seu cacete. Ele sacou a sua arma da minha boca e guiou o seu cacete na direção, segurou a minha cabeça com força e começou a meter na minha boca, entre tosses e engasgos eu deixei o seu cacete todo babado, então ele me levantou e me virou de costa, eu apoiei as minhas mãos colando o meu rosto na parede enquanto ele afastava as minhas pernas, depois ele segurou na minha cintura e socou todo seu cacete na minha boceta. Fui completamente invadida, aquele enorme cacete preencheu todos os espaços da minha boceta e ainda avançava para o meu útero, agarrado a minha cintura ele começou a me proferir ofensas e ouvi-lo urrar de prazer superava prazerosamente o leve desconforto do toque no meu útero, que eu já começava a empurrar o meu corpo contra o dele, logo senti um calor brotar no meio das minhas entranhas e ele foi diminuindo os seus movimentos enquanto o seu cacete me inundava. Continuei com meu rosto colada na parede depois que ele despejou todo o seu prazer dentro da minha boceta que latejava forte após inúmeras gozadas, estava me sentindo fraca e tremula para me movimentar e a mínima força que eu tinha eu usei para comprimir a minha boceta, expulsando o seu enorme cacete amolecido para fora que saiu deixando a minha bocetinha toda aberta, ainda escorrendo e pingando todo o excesso do seu prazer. Quando tive forças e me virei procurando por ele me vi novamente sozinha no meu apartamento, ele havia fugido pela janela que entrou sem levar nada de valor, carregou consigo apenas o meu prazer e me deixando louca de vontade de ser novamente invadida.

 

Contos relacionados

Balada Inesquecível!

Balada inesquecível! Lembro-me como se fosse hoje! Eu já estava deitada quase dormindo quando meu telefone tocou... Era meu irmão me chamando para uma balada em uma chácara. Sem nada pra fazer no outro dia, resolvi ir mesmo sem vontade....

Uma ótima Gozada

Uma ótima gozada Bem esse é o meu primeiro relato, que aconteceu por volta de 2002. Algumas coisas realmente não são fáceis de tirar da nossa memória.  Eu estudava fora e a cada 15 dias vinha para casa de meus pais para lavar a roupa...

A Prima Do Sul De Minas

Eu morava em um sobrado, embaixo as garagens e no primeiro andar meu apartamento e finalmente no segundo e último pavimento morava minha prima, Vanessa, que na época tinha 34 anos. Tinha um terraço em cima do apartamento delaEra herança de família, ela...

Amiga Gostosa

Após um dia de trabalho passei na casa de uma amiga, conversei um pouco com a mesma e logo segui para casa.  Chegando em casa o meu celular toca, era a Luiza, uma amiga loira, olhos azuis, corpo de dar inveja.... Melhor dizendo uma GOSTOSA! Aquela amiga...

Vizinha Safada

          Este fato aconteceu quando eu tinha 24 anos de idade em uma cidade de Minas Gerais. Eu entrei no banheiro que ficava do lado de fora da minha casa, quando eu olhei pelo buraco que havia na parede por onde passava o cano de água e vi a minha...

Fudida Por Dois

Me torturei o dia inteiro tentando imaginar o que eu faria quando ele chega-se do serviço acompanhado do seu amigo naquela noite e quando por fim eles chegaram, não fiz nada, acho que na verdade eu sempre soube e usava a venda para tirar a minha culpa do...