Quase Fomos Pegos E só Rolou Depois

Olá, já publiquei aqui uma vez que minha esposa quase me deu uma dedada, mas essa história de hoje aconteceu há muito tempo, mas ainda me mata de tesão, na época ela era casada com outra pessoa.

Na época ainda não éramos casados, ela trabalhava em uma empresa aqui da região e saia por volta das 21:00, ela passava em minha casa, me pegava e saiamos para dar uma namoradinha, ver a lua, as vezes íamos para um motel. Nesse dia estava uma lua cheia maravilhosa e como era de costume fomos para uma rua deserta, sem casa, sem iluminação publica, onde dava para ver a lua bem melhor. Chegando lá demos um bom amasso no carro, mão pra lá e pra cá, eu louco para fazer amor com ela, morrendo de tesão já com a minha pica dura, mas acabou não rolando. Resolvemos sair do carro, para ver a lua, quando descemos mais uma vez começamos nos agarrar, ela estava com um vestido não muito comprido e eu falei com ela ?que vontade de tirar sua calcinha? e ela falou cheia de tesão ? porque não tira?. Enfiei a mão por baixo do vestido dela, passei a mão na calcinha e percebi que ela estava toda molhada, desci a calcinha dela que ficou caída no meio de suas pernas. Comecei a roçar meu cacete nela até que ela me disse ãeu quero você?. Foi só o tempo de perguntar, ?vc me quer aqui fora ou dentro do carro? ela respondeu  ?aqui?. Eu ia comer minha delicia em um local escuro e aberto, sabendo que poderia passar alguém a qualquer momento, e não é que aconteceu. Quando estava preparando para enfiar a minha pica, visualizamos um carro vindo em nossa direção, na hora ela ficou parada, sem reação e escondeu seu rosto no meu peito. O carro passou e eu acho que ela tomou um susto e acabou não querendo mais. Eu estava quase explodindo de tesão. Entramos no carro, mas ela não quis mais me dar sua buceta. Fui para casa tive que tocar uma punheta e gozei como louco. No outro dia, um sábado, ela saia do trabalho 14:00. Ela passou, me pegou e voltamos no mesmo local, ela dizia que não podia demorar, pois tinha um compromisso. Assim que chegamos, agarramos e já fui direto passando a mão em sua buceta. Ela mais uma fez estava muito molhada. Chamei ela para ir pro motel, mas ela dizia que não poderia, pois tinha que sair, mas quando eu arredei a calcinha dela para o lado e passei meu dedo dentro da sua buceta, na hora ela pulou para o banco do carona e pediu para ir pro motel. Chegando lá, nunca tinha visto ela daquele modo, parecia uma cadela no cio, acho que foi tesão acumulado da noite anterior, foi entrando para o quarto, me agarrando, tirando a sua e a minha roupa, quando percebi já estava dentro dela, comendo aquela buceta maravilhosa. Assim que gozamos pedimos a conta e ela me deixou e um local e foi para seu compromisso. 

Contos relacionados

Loucura Com Minha Aluna Universitária

Sou Marcelo, tenho 36 anos e sou professor em uma faculdade particular em Rio Claro, interior de São Paulo. O fato que vou relatar ocorreu em uma sexta feira que antecedia a semana de provas. Como de costume, decidi que faria uma aula de revisão de...

So Esfregação

Eu era estagiário e me colocaram para acompanhar um profissional experiente, esse cara estava com problemas conjugais e durante essa separação ele voltou a morar com a sua mãe, enquanto ele me explicava o serviço ficava chorando no meu ouvido as saudades...

Inocencia De Um Garoto

A minha infancia foi muito pura pois aonde morava as coisas eram simples,demoradas,e não tinhamos acesso a informaçoes,revistas ,nada que despertasse em nos coisas diferentes. O nosso dia a dia era ir a escola e a tarde nos iamos brincar e perto de casa...

Sexo No Shoping

0 que vou relatar da forma mais fiel possível, aconteceu a cerca de uns 12 ou 13 anos atras. Conhecei pelas salas de bate papo uma mulher que vamos chamar aqui de Ana. Casada e com filhos como eu namoramos pela telinha durante um bom tempo e ela me...

Tesuda Do ônibus

Tesuda do ônibus Tirei férias no trabalho, e resolvi ir pra casa de parentes, no interior. Até ai tudo bem, o melhor foi a volta no ônibus, na rodoviária me despedi da família, entrei no ônibus, meu acento era na janela, percebi que já tinha...

Síndrome De Estocolmo?

Com uma das mãos ele silenciava a minha boca enquanto a outra arrancava a minha calcinha, o peso do seu corpo fixava o meu sobre o solo frio e úmido enquanto as suas pernas afastavam as minhas e num único golpe ele me invadiu dilacerando as minhas...