Enrabando A Bab? Gostosa Da Minha Irmã

Meu nome é João Guilherme, eu tenho 18 anos, sou branco, cabelo preto, olhos azuis, 1,80 de altura, tenho um corpo de academia razoável, não muito bombado e um rola de 23cm da grossura de um pepino. Vou relatar o que acontece entre mim e a babá da minha irmã mais nova a uns meses.

Meus pais contrataram uma babá pra minha irmã mais nova, porque eles trabalham, eu estudo a maior parte do dia e minha irmã não pode ficar sozinha porque ela tem só 9 anos. Eu imaginei que seria uma velha, gorda, feia dos infernos, pelo menos minhas babás eram assim, mas a babá é uma loirinha de 18 aninhos, olhos verdes, 1,70 de altura mais ou menos, bundão, seios médios e pele de pêssego. Quando fui apresentado a ela, tive o prazer de poder abraçá-la, ela estava de shortinho e blusinha, eu estava de bermuda, sem camisa, havia chegado em casa na hora do almoço, era sábado e havia acabado de jogar futebol, tava todo suado, ela disse:

– Oi, eu sou a Gabriella, a nova babá da Júlia, você deve ser o João Guilherme, prazer.

Olhei ela de cima a baixo, dei um sorriso safado e disse:

– Prazer.

E parti pro abraço, passei um dos meus braços pela cintura dela, ela ficou com um nojinho porque eu tava suado, abraçou meio sem graça, eu percebi e abracei ela mais apertado, fiz o rosto lisinho dela encostar no meu peitoral suado, depois fui tomar banho. Vesti uma bermuda larga, sem cueca pra deixar o bicho solto, sentei no sofá relaxadão, quase deitado, e fiquei passando os canais da TV. Ela botou minha irmã no banho, esquentou o almoço, deu almoço a minha irmã, e antes de sair pra aula de balé, minha irmã veio se despedir de mim, enquanto abraçava minha irmã eu pisquei e sorri pra ela, ela ficou envergonhada e abaixou a cabeça. Ela levou minha irmã pro balé, chegou em casa e foi lavar a louça, eu decidi que tinha que tomar uma atitude com aquela gostosa, mas antes eu ia brincar com ela. Atrás dela tinha a mesa da cozinha, entre ela e a mesa havia pouco espaço, eu espremi ela contra a pia e passei atrás dela, roçando meu pau no bundão redondinho dela, fui até a geladeira, bebi água e voltei roçando nela de novo. Sentei no sofá, ela terminou de lavar a louça e sentou no outro sofá, aquele silêncio estava me perturbando então puxei um assunto:

– Minha irmã dá muito trabalho?

– Não, ela é um anjo, sempre obedece, me respeita e tem uma educação elogiável pra idade dela.

– Que bom.

Eu levantei do sofá e fui deitar um pouco, estava morto. No dia seguinte meus pais estavam em casa e ela não veio. Na segunda feira eu fui pra escola, e só cheguei em casa 17h, tomei banho e me joguei no sofá, escutei barulho de chuveiro, era a Gabriella tomando banho, eu fiquei espiando, e percebi que a calcinha dela estava no chão, era uma micro calcinha, eu tinha que pegar aquela calcinha de qualquer jeito, entrei no banheiro, ela se assustou e deu um gritinho, eu disse:

– Desculpa, é que eu esqueci minha carteira.

Ela não podia me ver de dentro do box, então calmamente, peguei a calcinha dela e saí. Fui pro meu quarto e tranquei a porta, comecei a cheirar a calcinha, ainda quentinha, passei a língua, abaixei minha bermuda e comecei a bater uma na calcinha dela, que delícia, gozei muito naquela calcinha. Me vesti, saí do quarto, ela estava assistindo TV, sentei no sofá e perguntei pela minha irmã, ela disse que estava na casa de uma colega e só ia voltar a noite, meus pais trabalham viajando, vi ali a minha oportunidade de comê-la. Eu chamei ela pra fazer-mos um lanche, mas ela disse que não podia sair de casa, então propus ir-mos pra cozinha, ela riu e aceitou. Na cozinha eu estava sentado na cadeira, ela escorregou e caiu sentada bem em cima do meu pau, eu cheguei a pôr minhas mãos na cintura dela, ela se virou pra mim e me beijou, eu levantei, tirei toda a nossa roupa, me sentei na cadeira, ela me deu um beijo, eu abaixei a cabeça dela e fiz ela me chupar, minha pica já estava dura como rocha, ela começou a chupar, eu estava louco, e dizia:

– Chupa minha pica bem gostoso sua vadia.

Eu segurei a cabeça dela e comecei a foder aquela boquinha macia, metia tudo com muita força, meti até o talo e gozei na garganta dela, ela engoliu e sorriu pra mim. Apoiei ela na mesa e comecei a pincelar a bucetinha raspadinha dela, ela implorava:

– Mete tudo Gui, me arromba.

– Quando eu começar, vai ser do meu jeito.

– E qual é seu jeito?

Meti tudo com toda força e disse:

– Pra machucar.

Comecei a foder aquela bucetinha gostosinha, tirava tudo e metia tudo, ela gritava de prazer, eu fodia como um louco, a mesa estava arrastando com a força das estocadas, eu segurei ela pela cintura e bombei mais forte, logo gozei, deixei ela sem forças até pra sair da posição, fui até a geladeira, peguei o pote de margarina, lambuzei meu pau, e a entrada do cuzinho dela, aí ela disse:

– Aí não, porque eu nunca fiz e sua pica é muito grande.

Eu segurei ela e falei:

– Eu disse que quando eu começasse ia ser do meu jeito.

– Eu nunca fiz.

– Eu vou ser carinhoso.

Ela concedeu e eu comecei a forçar a entradinha, ela disse:

– Ai ai ai ai ai, tá doendo.

– Relaxa gatinha.

Enfiei a cabecinha, ela começou a chorar, fui enfiando devagarinho, ela disse:

– Não coloca mais, por favor, eu não aguento.

– Só tem metade, vc aguenta muito mais que isso.

E continuei enfiando, ela chorando muito, ignorei e continuei enfiando, quando estava todo dentro eu fiquei parado pra ela se acostumar, quando ela parou de chorar eu comecei o vai e vem, aumento a velocidade aos poucos, comecei a foder aquele cuzinho com força, ela já estava rebolando pra mim, e eu falei:

– Agora vai ser pra machucar sua cachorra.

Comecei a machucar aquele cuzinho, ela falou:

– Vai mais devagar, eu estou sentindo você no meu umbigo.

Aquilo me excitou mais, comecei a foder mais forte do que fodi a buceta dela, segurando ela pela cintura, cravei a vara nela e gozei, depois tirei meu pau e vi o estrago, endureceu só de ver o rombo que eu fiz, meti a vara no cu dela de novo, ela reclamou, e eu disse:

– Hoje você vai tomar muito no cu.

Eu estava arrombando aquele cu, tirei o pau, olhei o estrago e cravei a vara de novo, fiz isso umas três vezes, eu metia até o talo, machucando mesmo, cravei a vara no cu arrombado dela e gozei, tirei o pau de dentro dela, me vesti e falei:

– Vou querer de novo hein gostosa.

E fui pro meu quarto.

Contos relacionados

Quem Foi ?

Quem foi ? Era um lindo final de semana na primavera e eu estava radiante. Não era para menos pois meu primo Carlos Antonio estava passando uns dias conosco e eu me amarrava demais nêle. Ele era altão, com seus dois metros de altura, jogador de...

Julia: Minha Sobrinha Tesuda (parte 1)

Julia: Minha sobrinha tesuda (parte 1) Alberto era um homem que estava prestes a completar 40 anos.Tinha tudo que planejara:Dinheiro,um bom trabalho,carro,casa,sem filhos e uma esposa... Só que nesse ultimo requisito sempre deixava a...

Minha Mae Meu Sonho

Minha mae meu sonho Olá, já li vários contos de incestos e nunca acreditei muito, mas sempre tive uma tara por minha mãe, até que estimulado pelos contos fui a luta. Desde menino apreciava minha bela mãe. então imagina. Ela Loira, 1,60cm, com...

Dp Com Anestesia Do Dentista

Cara! Essa ?aventura? com certeza foi a mais empolgante, pois foi a minha primeira vez á três, isso mesmo, foi assim: Meu amigo Walter é dentista e sempre que posso vou até seu consultório para garantir a saúde de minha boca, e naquela semana já era...

A Safadinha Do Bairro

Olá meu sou conhecido com Xandy, moro num bairro de periferia na zona sul de São Paulo, onde a história aconteceu. Em 2009 uma garota veio do centro de SP, morar aqui no bairro. Ela é linda, cabelos cacheados, pele bronzeada, gostosa e com uma bunda...

Um Casal Mossoroense

Um Casal Mossoroense Após a minha primeira experiência com o casal de Aracaju minhas fantasias de sair com outros casais aumentou e continuei a procurar na net já que é um local mais fácil de conversar sobre esse assunto com toda a comodidade...