Minha Primeira Vez

Posted on Incesto 4

Olá meus amores!









Peço desculpas pela demora para escrever… Voltei para as aulas, estou a procura de um estágio, fazendo aula de carro com uma instrutora insuportável e fico nessa correria…









Bom, para quem não me conhece eu sou a Melissa, tenho 19 anos, sou universitária, descendente de japonês, tenho 1,45 de altura, 55kg, cabelos médios, bumbum grande e seios medianos, cabelos médios, normalmente me dão de idade 16 anos, não sei se é apenas o fato de eu ser pequena ou pela cara…









Foi no meio do ano, após eu ter completado 18 anos… Com meu primo de 15 anos…









Marquei dele vir em casa, tomei um banho e coloquei uma regata sem sutiã, no decote a regata era de renda, um shortinho jeans onde deixava meu bumbum bem marcado, sem calcinha, é claro, e um chinelo… Como sempre, estava lisinha, minha mãe sempre me levou ao salão desde meus 15 anos, disse que mulher bonita tem que cuidar em todos os aspectos… E achava minha bucetinha linda lisinha, me deixava com ainda mais ar de novinha…









Ele chegou e eu o abracei forte, para ele sentir os bicos dos meus seios em seu peito… Entramos na sala e por lá ficamos, ele sentou no sofá e eu sentei no seu colo.









– Estava esperando tanto por isso, pela minha primeira vez.









– Safadinha… De hoje não vai passar!









Sentada no colo dele eu pude sentir o quando ele estava duro e excitado, consequentemente ele devia sentir o quando eu estava quente.









Começamos a nos beijar, um beijo de cúmplices e amigos, eu sentia a sua mão forte no meu bumbum, sua língua sugando a minha num tesao delicioso. A cada chupada mais gostosa na sua língua eu podia sentir sua mão me apertando com mais força…









Eu me contorcia no seu colo, mesmo ele sendo mais novo era bem mais alto que eu, estava enroscada no seu colo…









Ele me beijava com muita vontade, subiu a mão para os meus seios que estavam com os bicos bem duros… Apertava o biquinho com muita força, pude sentir um misto de dor e prazer.









Ele percebeu que quanto mais forte apertada, mais intenso era os meus gemidos… Seu corpo todo estava quente, eu queria muito tirar sua roupa toda.









Levantei sua camisa, ele estava muito quente, corpo lindo, magro, mas em crescimento, como ajudava muito seu pai no mercadinho da família, tinha um corpo certinho, nada de forte e nem magro demais.









Eu estava com um seio para fora, ele aproveitou para abaixar as duas alcinhas da minha regata, deixando ela até a barriga… Nunca havia ficado assim na frente de ninguém, ao mesmo tempo que estava com vergonha, me sentia confiante!









Minha pele bem branquinha, com os dois bicos duros e rosinha na frente dele, ele com a sua cara safada, que parecia que ia devorar os meus bicos… Dito e feito… Começou beijando o meu pescoço, foi descendo aos poucos, meu corpo arrepiava todo, eu desconhecia aquilo…









Me pressionava ainda com mais força no seu colo, e ele desceu a boca no meio seio, sei que era a primeira vez dele nisso, sabia de tudo sobre ele, mas parecia que tinha nascido para isso.









Passou a língua em volta do bico, o que me fez soltar um gritinho de tesão, depois abriu bem a boca e colocou o meu seio todo dentro da boca, sugando ele até o fundo, chupando com força, enquanto a outra mão só provocava o outro bico…









Sugava meio seio com força, estava doendo muito, empurrava a cabeça dele para sair, gritava para, porque realmente estava doendo… Mas ele continuava, ficou mais de 2 minutos nele… Quando soltou eu fiquei aliviada, o bico estava com muito sangue acumulado e ardia, mas tinha ficado lindo! Eu senti prazer em vê-lo todo roxinho…









– Cachorro, pedi para você parar!









Dei um tapa na cara dele, onde estava com a boca toda babada…









– Putinha, você queria muito mais! Não se faz de santa, minha priminha safada!









Levantei do seu colo, me ajoelhei no chão… Fui tirando sua bermuda, onde pude notar o quanto de tesao ele estava… Dei um beijo em cima do seu pau e tirei a cueca…









Estava lá, devia ter uns 15 cm… Acho que bom para o tamanho de um garoto da idade dele… Comecei a beijar a cabeça dele, sei que deixava ele louco com meus olhares, sempre provocando… Sei que ele queria segurar meu cabelo e foder na minha boca me olhando, mas sei que queria muito mais tirar minha virgindade!









Passava a língua na cabeça, como se estivesse tomando soverte, de vez em quando parava e sorria, e voltava a passar a língua… Segurei seu pau no talo e coloquei até o fundo da boca, engasguei, parei, olhei e sorri, em quanto escorria minha baba pelo canto da boca, peguei dois dedos dele, passei no canto da minha boca e chupei seu dedo, sempre sorrindo de leve, olhar safado de me possua…









Voltei a chupar o pau por completo, deixei ele dentro da boca e ia fazendo movimentos de vai e vem constante, podia sentir a cabeça batendo na garganta…









Soltei as mãos e fui tirando o meu shortinho, como uma boa putinha…









Fiquei de quatro no sofá, bumbum bem arrebitado, ele levou um susto pois nem tinha percebido que eu havia tirado o shortinho… Desceu a mão para a minha bucetinha que já estava pingando meu mel, ele não sabia como me tocar e nem aonde enfiar os dedos… Ele esfregava minha buceta, o que fazia ela arder, ele esfregava com força e bem desajeitado…









Não aguentei me levantei e sentei no sofá da frente…









– Amor, preste a atenção! Só vou fazer isso uma única vez!









Abri as minhas pernas, meus cabelos longos na época, tampavam meus seios, estava sorrindo para ele, comecei a chupar dois dedos, e uma mão apertava o biquinho de um lado dos meus seios, desci a mão para a bucetinha, passei por ela toda, mostrei o clitóris.









– Aqui é o maior segredo!









Com o dedo indicador comecei a esfregar ele bem devagar, fechei meus olhos de vergonha, imagina, logo eu, a prima de 4 anos mais velhas se tocando na frente do priminho! Ele segurou o seu pau e começou a se tocar, pude ouvir sua voz ofegante…









– Prima, cachorra!









Comecei a fazer movimentos circulares no clitóris, meus pés ficaram na ponta, eu de olhos fechados, uma mão apertando com muita força meu seio, percebi que meu corpo se mexia sozinho e não conseguia mais controla o tom dos meus gemidos!









Estava gritando de prazer, estava me tocando na parte mais sensível que me fazia ficar louca, abri meus olhos, encarei ele, gemia, mordia meus lábios, apertava um biquinho do seio e ficava nos movimentos circulares bem de leve, abri mais a buceta, agora com as duas mãos, mostrei o local para ele, pude notar que quando contrai a bucetinha, algo incolor escorreu dela…









– Você pode me limpar?









– Cla… Claro!









Ri por ele ter gaguejado… Pude notar que sua mão não soltava do pau e seus olhos estavam hipnotizados na minha bucetinha…









Eu deitei no sofá, passei o dedo no mel incolor que escorria e lambi, dando um sorriso para ele.









– Vem, não tenha medo, pode passar a língua aqui para experimentar o sabor.









Ele chegou perto, deu dois beijos no canto da buceta, perto da coxa e olhou para mim. Abri os lábios da minha buceta com dois dedos, senti a língua dele passar dentro dela, sugando todo o meu mel que havia escorrido, em seguida ele tentou colocar a língua na entradinha da bucetinha.









– Acho melhor não! Minhas amigas dizem que dói muito.









– Mel, confia em mim! A primeira vez de todos devem doer! Você não queria perder a virgindade?









– Sim, estou com medo!









Ele pegou na minha mão que estava sobre a sua cabeça, deu um beijo nela.









– Eu te amo, vai dar tudo certo!









Fechei meus olhos, ele pegou um dedo dele e começou a enfiar na minha bucetinha, enquanto a língua fazia movimentos circulares no clitóris!









Eu gemia muito alto, me contorcia no sofá, ele não parava.









– Continua, estou me sentindo muito bem!









De repente senti uma explosão de sentimentos, contrai a bucetinha e pude sentir ela explodindo de gozo, dei um grito alto, minha respiração estava tão ofegante, meu corpo todo suava, sorri para ele, percebi que havia sujado o sofá.









Ele tirou um dedo que estava dentro ele sai inteiro babado.









– Deixo provar meu sabor?









– Cachorra! Toma!









Passou o dedo no meu rosto e deu para eu limpar a mão dele, ele ficou em pé, encostei no braço do sofá e abri as pernas. Ele segurou o pau dele, e pressionou para a minha bucetinha, fez força, mas não cabia.









– Mel, acho que não vai dar certo, não vai entrar!









Ele pressionou novamente e fez força para entrar, olhou para mim, seu semblante tinha mudado, estava nervoso.









– Não cabe, não posso enfiar com força, vou te machucar!









– Senta no sofá, vai caber sim, tenha calma.









Ele sentou no sofá, seu pau se mantinha intacto, enorme e com a cabeça pulsando… Sentei no colo dele e comecei a beijá-lo, enquanto isso segurava o seu pau e esfregava a cabeça na entrada apertada. Comecei a rebolar de leve no seu colo, com força coloquei a cabeça dentro da minha bucetinha, ardeu muito, olhei para ele dei um selinho, sentei com força.









Senti rasgar a minha bucetinha, aquele pau que era de um tamanho normal, parecia ser gigante dentro do meu corpo! Dei um grito de dor, olhei para ele estava anestesiado…









Tirei rápido o pau dele dentro do meu corpo e pude ver um fio de sangue, sorri para ele, ele sorriu para mim.









– Safada!









Me levantei, fui até o meu quarto e peguei um papel, limpei ele, minha buceta ardia tanto, passei três dedos na boca e esfreguei ela para lubrificar um pouco, sentei de novo no colo dele até o fundo.









Ainda doía muito, fui levantando o bumbum de leve para me ajeitar, ele segurou o meu bumbum e jogou sua cintura para cima, pude sentir mais dor nas ao mesmo tempo um tesão, ele fez isso umas 3 vezes, meu corpo todo estava quente, e ele se delirava de tesão…









Até então não tinha notado que estávamos sem camisinha, tudo bem.









Percebendo que não havia mais dor, fui controlando os movimentos, primeiro devagar e com cuidado, depois foi aumentando, força e rapidez…









Quando me dei conta, eu estava pulando no colo dele e gemendo igual uma putinha, o que eu sempre fui…









– Mel, não estou aguentando! Vou gozar!









– Segura! Não goza dentro! Segura mais tempo!









Contrai a bucetinha, pensando que ia ajudar!









– Mel levanta! Para de fazer isso sua putinha!









Levantei assustada, ajoelhei, senti o gozo dele escorrer no meu rosto, gozou no canto da minha boca, ele passou a mão no meu rosto e foi me dando para limpar tudo…









Ele deitou no sofá, ainda não acreditando no que tinha acontecido, eu me levantei e fui tomar banho…









Demorei um pouco me lavei bem, porque tinha uma amiga que dizia que ficava do sexo no corpo, coloquei uma calcinha, tipo shortinho e fui para a sala…









Demorei uns 15 minutos, fui até a sala, ele estava se tocando, olhei para ele, pensei que cachorro…









– Pronto para outra?









Obrigada a todos que acompanham os meus contos! Se quiserem deixar seus e-mais, ficarei muito feliz e entrei em contato…









Preciso de pessoas mais experientes para me aconselhar com os meus desejos e minhas fantasias, e quem sabe trocaremos algumas fotos também!