Uma historia de cumplicidade

Posted on Incesto 871
Vou contar aqui o sonho de todo homem, transar com duas mulheres ao mesmo tempo. Quando tinha 17 anos conheci Bianca e duas amigas em uma festa de aniversario. Simplesmente Bianca, Claudia e Sula andavam sempre juntas e nunca se misturava com as demais meninas de nossa idade. Eu que sempre tive uma vida sexual muito ativa e tinha como fantasia matar o desejo o tesão de duas mulheres ao mesmo tempo. Dei alguns beijinhos e amaços em Bianca e apresentei Bianca e suas amigas a meu irmão mais velho. Jonas tinha 23 anos e trabalhava em uma multinacional. Bianca e Jonas começaram a namorar e depois de dois anos se casaram. Ele nunca soube do lance entre eu e Bianca. Após oito longos anos na empresa Jonas foi fazer um curso de especialização em São Paulo e quando terminou o curso foi promovido, mas para sua promoção tê êxito ele tinha que ficar em São Paulo. Jonas passou seis meses sozinho lá em São Paulo e depois levou a Bianca para morarem lá. Após alguns anos ele foi morar em São Berrando dos Campos e foi novamente promovido. Eles tiveram uma linda menina chamada Maria Eduarda. Após vinte anos Jonas revolveu fazer-no uma visita, já que estavam todos de férias. Era janeiro de 2015 o sol brilhava forte aqui no nordeste. Jonas e família visitaram nos primeiros cinco dias todos os parentes mais próximos. Após o treze dias de férias Jonas recebeu uma ligação da empresa onde trabalha, eles tiveram um serio problemas em algumas filias e ele tinha que voltar, pois devido sua especialização ele sabia como resolver todos os problemas ocorridos. Vou comprada uma passagem de urgência para ele que embarcou de volta para São Paulo as 14:00. Nesta época eu trabalhava em uma escala que era 6X2 (trabalhava seis dias e folgava dois) entrava no plantão as 06:00 e saia as 14:00. Minha esposa foi passar o final de semana no interior com sua mãe na casa de uma irmã dela. Eu iria trabalhar ate o domingo e iria folgar segunda e terça. Na sexta à noite fomos a uma boate e no sábado alugamos um carro para irmos para as praias da Paraíba. No domingo quando cheguei do trabalho são almocei e fomos viajar. Foram 302 km de estrada, mais valeu à pena. Chegamos lá próximo das 20:00. Hospedamos-nos no Zekas Pousada e Restaurante. Fomos dormir para aproveitamos as praias no dia seguinte bem cedinho. Bianca linda como sempre apesar de seus 43 anos 1,80 de altura e 75 quilos, seios pequenos e de bicos pontudos, boca carnuda, bunda bem saliente pela qual eu já estava louco. Já Maria Eduarda com seus 19 anos, era muito linda. Seus cabelos negros lisos na altura do pescoço, seu bumbum arrebitado e seios médios, seus castanhos causava sensação por onde passava. Na segunda cedinho fomos a Praia de Carapibus e depois fomos para outras também. No outro dia Maria Eduarda disse que gostaria de conhecer a praia de Tambaba. Fiquei surpreso, mas excitado ao mesmo tempo, pois iria vê-las nuas e isso me excitava muito. Bianca e Eduarda discutiram sobre esse assunto, mas preferi fica de fora e fui para fora do quarto. Já por volta das 19:00 voltei para o quarto e Eduarda perguntou-me se tinha algum problema em irmos para Tambaba falei que não. Bianca depois de muita insistência da Eduarda concordou em irmos para Tambaba, mas teria uma condição. Ninguém podia saber principalmente Jonas. Ambos concordamos.Sem que Bianca percebesse Eduarda perdendo sua timidez devido ao dia seguinte que ela tanto esperava, foi tomar banho e quando saiu do banho enrolada em uma toalha tirou-a na minha frente deixando a mostra seu corpo totalmente nu. Bianca falou: – Maria Eduarda você não tem vergonha de ficar nua na frente de seu tio? – Não mãe, ate por que amanha ele vera minha xaninha mesmo. – É melhor mostra logo agora porque ele já vai se acostumado. Meu tesão aumentava quando ela pegou sua mãe e disse: -Porque a você mãe não faz o mesmo? Ela riu e respondeu: – Eu tinha pensado a mesma coisa. Bianca vai tomar banho e sai do banheiro nua. Meu pau quase solta na mesma hora. Quando Eduarda fala tio agora e a sua vez. Fiquei vermelho de vergonha, pois meu pau estava duro como uma pedra e se eu me levantasse elas iriam perceber. Bianca fala que seria ótimo se o Jonas estivesse na cama com ela. Sentir que ela estava com vontade de trasar e não perdi tempo fui ao banheiro tomar meu banho e ao sair elas estavam me esperando nuas com um champanhe para bebermos. Após um brinde Eduarda me chama para dançar e diz: – Tio seu pau está muito duro. e eu respondo: – O que foi meu bem? Assustou-se? Perguntei. – Nada, nada, desculpe. – Tudo bem, querido disse a Bianca. Eu, porém, fui mais além: – A gente vai curte esse momento. Você sabe que é gostoso, não sabe? Bianca saiu correndo para o banheiro, como se estivesse com medo. Eduarda me olhou e disse: – Acho que você a assustou. Levantou-se e foi atrás de sua mãe e não demorou muito as duas retornaram abraçadas e sorridentes. Eduarda colocou uma musica legal olhou para ela e apontou para mim dizendo: – Vá lá comprovar, querida. Vá lá. Bianca veio até junto de mim e começamos a dançar juntinhos como antigamente, são que desta vez estávamos nus. Sentir sua respiração ofegante e levemente passei a mão em sua bumba, acariciei sua xoxota e ela pegou no meu cacete, já completamente enrijecido e começou a acariciá-lo, beijou bem na pontinha, no buraquinho e depois começou a lamber ele. Com carinho colocou meu pau na boca e começou a chupá-lo como se chupa um picolé. Fiquei louco. – Espera, espera, disse a Eduarda e fez o mesmo, ajudando a Bianca. Meu tesão aumentou. Era uma visão linda, as duas, juntas, nuas como deusas. A Bianca com uma xoxota peludinha e a Eduarda toda depilada como um neném. Deitei-me na cama e puxei a Bianca pelas coxas e ela colocou a xoxota na minha boca e eu comecei a chupar e a lamber aquela gruta deliciosa toda encharcada de gozo. Enquanto eu fazia tudo isso, a Eduarda mamava os no meu cacete e ela gemia baixinho. – Ai, ai, que gostoso, ai… aiii… A xoxota rosada e peludinha toda melada do gozo dela. Consegui separar as nádegas e vi o cuzinho escurinho e cinzento a piscar para mim. Lambi e lambi e lambi com vontade. – Também quero, pediu a Eduarda. – Agora é a minha vez. – Comecei a lamber e a enfiar minha língua na xoxota da Eduarda. Eu vi a xoxota da Bianca arreganhada e fui por trás me enfiando dentro dela com toda vontade. Encostei a cabeça do meu cacete na entradinha e comecei a bombar com força: -Toma… toma.. Toma. Aaiiiiiiii toma. Toma a pica do teu macho. Sente a rola de teu macho La dentro de você… Aaiiiiiiiiiiiiiiii delicia. Continuei dando bombadas com forças e cada vez mais rápido eu podia sentir que ela já estava de pernas bambas. Quando senti que iria gozar. Parei um pouco o ritmo para não gozar tão rápido. Eduarda diz: – vem sou toda tua meu tio gostoso. Comecei a bom bar na xaninha de Eduarda que gemia feito uma cadela no cio. Eduarda fica de quatro e diz que gosta desta posição, então coloco meu pau dentro dela e começo a socar forte dentro dela. Eduarda diz para eu não gozar dentro dela e pedir para eu tirar antes. Já pronto para sair ofereci meu pau para a Eduarda que gulosa recebeu meus jatos de porra enchendo sua boca. A Bianca não perdeu tempo e colou sua boca na da Eduarda e ambas aproveitaram todo o meu suco. após fomos tomar um banho e Bianca lavou meu cacete bem lavado. Eduarda olhou para Bianca e disse: – mãe hoje você vai realizar aquele seu desejo? Foi então que entendi que mãe e filha são de uma cumplicidade incrível. – Ele vai foder teu cuzinho. – Eu sei que ele quer isso. – sei que esse e seu desejo, mesmo com seu medo. – Não tenha medo mãe à gente prepara você, respondeu Eduarda. Tomei logo a atitude deixá-la de quatro e fui acariciando sua xoxota e enfiando o dedo indicador naquele lindo cuzinho virgem. Meu pau já estava duro como um pedaço de cano de ferro. Posicionei-me por trás da Bianca e ajudado por Eduarda comecei a enfiar. No começo a Bianca até que aceitou, mas quando eu forcei o pau dentro daquele buraquinho ela soltou um berro e escapuliu. – Não to preparada, não to preparada, disse, correndo para o banheiro e lá se trancando. Um tanto frustrado, olhei para a Eduarda, mas ela apenas sorriu e disse: – Fica pra outra vez. Fode o meu bem gostoso meu tio roludo. Claro que atendi ao seu pedido. Coloquei-a de quatro e comecei a socar bem devagar, fui aumentando os movimentos bem rápidos, com forças e dava umas paradinhas e ela urrava, gritava e pedia: – Não para… Não para… Vai! Vai! Continua bem rápido. Quando estava gozando tirei e soquei na xoxota dela que essa altura estava escorrendo pelas coxas. Ela pedia pra eu falar xingar-la e eu atendi: – toma sua puta gostosa… Cadela safada… Vou fazer você gozar… Sente meu cacete dentro de você. Sente a cabeça do meu cacete batendo no seu útero… Vou gozar dentro de você todinha. – Ai! Ai! Ai! Hum! Hum! Hum! Ham! Ham! Ham! Isso goza meu amor na pica do teu macho. Eduarda deu um gemido, esticou as pernas e caiu pro lado como se tivesse desmaiado. Eu cair por cima dela e ficamos assim por um bom tempo. Sem que perceber-mos Bianca estava nos olhando e gostando de tudo que viu. No dia seguinte pela manhã, ao tomarmos o desjejum, Eduarda perguntou para a Bianca: – Ficou chateada ou com medo. – Não fiquei chateada não, disse ela. – Ficou doendo muito e então eu tive medo e fugi. -Desculpa, ta? Logo cedo fomos conhecer a praia de Tambaba, famosa por ser uma praia de naturismo. O dia estava lindo, pegamos o carro e chegando lá a praia estava muito deserta, devido ao dia de terça-feira. Bianca no primeiro momento ficou na duvida em ficar nua, sendo que poderia vir a ser engolida pelos olhares dos poucos homens que estavam na praia. Já Maria Eduarda estava decidida tratou logo de tirar tudo. Poucas pessoas caminhavam e escolhemos um lugar mais afastado e sentamos. A vergonha de Bianca foi passando e logo todos ficamos a vontade. Passei bronzeador nas duas e depois fui mergulhar um pouco já que o dia estava muito quente. Lá pelas nove e meia da manhã, elas começaram a beber umas cervejas quando a Eduarda veio para perto de mim e beijou-me na boca. Depois de umas dez cervejas Heineken Eduarda começa a se esfregar em mim toda dengosa e diz: – Ta na hora. Você vai primeiro mãe. Bianca bem à vontade diz: – vamos tomar banho amor. Não perdi tempo. peguei na mão de Bianca e fomos para o mar. Entramos e me aproximei dela e comecei a beijá-la. Ela recusou os meus carinhos, mas não tentou fugir. Deixou que meus lábios começassem a invadir seu corpo. Bianca me deu um longo beijo e em seguida disse: – quero ser invadida por você. Bianca subiu no meu pau, sua xoxota latejava de tanta vontade de ser comida. percebi que ela queimava de tara, começou a bombar sua xoxota, comecei a chamá-la de gostosa e dizia: -goza gostosa! goza sua boazuda! Aquilo a deixou louca, mesmo sem tirar o pau de dentro sentir o ponto ?G? dela. Eu sabia que ela estava se segurando pra não gozar até que falei: -goza minha putinha, goza, não era isso que você queria? Goza pro teu macho, goza. Bianca não agüentando começou a gozar no meu cacete, com tanta vontade que chamava a atenção de todos que estavam por perto. Não agüentando mais, gozei dentro dela, foi tremendo o meu corpo todo bem juntinho do dela. Depois sairmos como se nada tivesse acontecido. Fomos passear pela praia e encontramos um lugar bem deserto. Eduarda me disse que queria ficar por ali e tirar algumas fotos. Tirei varias fotos das duas aquilo me excitou de um jeito que Eduarda disse: – agora vou dar um jeito neste cacete gostoso mãe. Eduarda me encostou-se a uma pedra enorme e disse: – vem, quero fuder com você aqui. Coloquei meu pau em sua xoxota, enquanto Bianca ficava só olhando eu fudendo sua filha safadinha, Eduarda gemendo na minha rola. Demorei a gozar, mas Eduarda já tinha gozado. Após gozar nos lavamos e fomos embora. Chegamos à pousada tomamos banho e fomos almoçar. Por volta das 15:30 pegamos a estrada de volta para Recife, afinal tinha que trabalhar no dia seguinte. Por volta das 21:00 Bianca me chamou, ela estava cheirosa que só vendo, pois tinha acabado de sair do banho. Baixei sua calcinha lentamente tirando-a e enfiei meu rosto na divisória de seu bumbum, lambi o cuzinho dela como louco e ela gemeu satisfeita, levantando a bunda e abrindo as coxas. -Vai! Vai! Vai… Isso é bom… Vai… Me posicionei por trás daquela bunda maravilhosa e comecei a lamber ora o cuzinho ora a xoxota que já estava toda melada de gozo. Ela rebolava a bundinha na minha língua e gemia… – Ah… Ah… Ah… nosssssaaa! Cuspi no cu dela e empurrei toda a saliva com minha língua para dentro dele. Ela sabia o que ia acontecer, mas se entregava toda. Enchi a boca com mais saliva e cuspi uma grande quantidade naquele buraquinho cinzento que estava a piscar para mim. Senti sua aderência enfiando dois dedos no cuzinho dela. A xoxota de Bianca estava toda encharcada, mas eu nem ligava. Queria aquele anel escurinho. Tirei minha roupa, pois o meu pau estava doendo de tão duro. Posicionei-me por trás dela e comecei a enfiar devagarzinho no cuzinho dela. No começo ela deixou, mas de repente quando a cabeçuda do meu pau começou a entrar naquele buraquinho virgem ela deu um grito de dor e tentou escapar. – Agora é tarde. Fique quieta! – Ta doendo! Ta doendo! – Fica quieta porra! Esse cuzinho vai ser arrombado hoje e quem vai arrombar sou eu, disse, segurando ela com força para ela não fugir, montando nela e agarrando ela pelos cabelos. – Duda socorro! Duda eu não quero! Acuda-me! – Deixa disso, porra! Fica quieta que to quase dentro. Fica quieta! A Eduarda escutou os gritos dela e entrou no quarto quase a correr. Parou junto de mim e sorriu. -Ta entrando? Perguntou. – Ta, mas ela ta nervosa. Não quer ficar quieta, mas agora é tarde, vou enfiar tudo nesse cuzinho e vou gozar dentro dele. De repente o pau entrou de uma só vez e ela deu um berro e se agarrou com o travesseiro. A Eduarda começou a acariciar-la. – vai mãe você tanto queria e pai nunca quis agora esta correndo por que. – doe, mas depois que entra fica gostoso. Comecei a estocar aquele cuzinho, primeiro devagar, para depois ao vê-lo se tornar mais flexível, começar a estocar de verdade. A Bianca tinha parado de gritar e começou a remexer a bunda. Continuei montado nela, estocando com força e a Eduarda segurando a mão dela. Eduarda disse; -Ta gostando agora, não ta, safadinha? Ta gostando? -To gostando… ai…ai…to gostando….to… Vai… ai goza soca mais, ai… Hum… ham… há… há… vai… não, não para, não para.. Gozei com vontade dentro do cuzinho dela, depois ajudada pela Eduarda, fui saindo bem devagar e vendo o estrago que tinha feito. O cuzinho estava bem arredondado, com a minha porra a escorrer para fora dele. Aos poucos ele foi se fechando voltando a ser aquele buraquinho lindo que ainda hoje penso em fuder-lo com vontade. Dormimos juntinhos os três, fui trabalhar no dia seguinte e minha esposa chegou de viagem da casa da Irmã dela. Hoje depois de um ano ainda lembro com saudade e tesão os momentos que passamos juntos. Meu irmão nem imagina que em sua viagem para rever a família, sua esposa e sua filha foram fudidas pelo seu irmão mais novo. Sim! As fotos ficaram ótimas, são minhas lembranças de uma cumplicidade de mãe e filha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *