Chuva, Parque, Sexo - Por S.m.

Chuva, Parque, Sexo – por s.m.

Era uma quarta-feira, nos tempos de colégio, eu e minha namorada já estávamos a alguns meses. Como de costume sair de casa as 17h30minh para buscar a Vanessa na escola, fazíamos o ultimo ano na mesma escola, porém em períodos diferentes. Neste dia eles foram liberados cedo devido a chuva que comprometeu a sala de aula, cheguei à frente da escola as 18h e ela esperava por mim. Reunimos os nossos amigos e subimos a rua para irmos para o ponto de ônibus, Vanessa morava perto da estação de ônibus e mesmo sendo cinco quarteirões do colégio todos íamos pegar ônibus lá para que ela não voltasse sozinha.

A chuva caia de leva, apenas a Vanessa, eu e mais uma amiga levou guarda-chuva naquele dia. Como ainda estava cedo todos paramos no parque naquele dia, eu dividia o meu guarda-chuva com a Vanessa. Eu e ela fomos para nosso lugar de costume, nossos amigos se dispersaram. O nosso banco estava molhado, ela fez questão de passar a canela e secar um pouco com o jeans para eu não me molhar, sentamos, conversamos, nos beijamos.

Aos poucos a chuva foi ficando forte e ela decidiu tomar banho nela, me censurando dizendo que ela já iria para casa e eu ainda teria que pegar ônibus molhada. Nossos amigos foram se despedir, pois já eram 19h, eles ficaram naquela euforia todos na chuva, eu sentada debaixo do guarda-chuva ate não resistir e fui pra chuva também. Na agitação acabei caindo de bunda, todos riram e a Vanessa sorri indo me ajudar:

– Own, meu amor. Cuidado! ? ela me ajudou. E ficamos brincando com o pessoal ate eles finalmente irem.

Eu e minha namorada ficamos lá na chuva, protegi a mochila dela com meu guarda chuva e começamos a nos beijar. Então foi ficando intenso, pois com a chuva as pessoas em geral foram embora do parque, ficando apenas ela e eu na escuridão. Já estávamos completamente molhadas, eu mordia seus lábios com força e suas mãos iam nos meus seios.

Estava sentada de frente para ela, coloquei minhas pernas em cima do banco e ela colocou as pernas em volta de mim por cima das minhas. Comecei a olha para o meio das pernas dela e para seus olhos, Vanessa já fazia a cara que eu gostava e seus olhos brilhavam perversos para mim. Ela sabia como me seduzir.

Então ela olhou ao redor e começou a passar a mão nos meus braços, na minha costa e eu fazia no mesmo com ela.

– Ah, você é uma delicia, sabia?! Essa nossas peles molhadas, esse clima e você tremendo de frio estão me deixando excitada. ? ela sussurrou para mim.

– É, huum! ? Era apenas o que saia de minha boca.

Beijamo-nos loucamente, coloquei minha língua debaixo da dela e a movimentei, depois beijei seu pescoço. Então ela se próximo e sentou bem em mim, jogando seu corpo levemente para trás e rebolou em mim me olhando daquele jeito safado. Eu amava aquilo, eu olhava seu corpo e imaginava ela nua como quando perdi minha virgindade com ela. Estava super quente entre nossas pernas. Eu já estava excitada, então quis beija-la e ela começou a me censurar, ela sabia que censuras me deixam louca, eu ofegava tentava chegar à sua boca e ela fugia de mim. Então ela finalmente me beijou e ficou se esfregando em mim.

– Você gosta né?! Ta gostosinho? ? Sua voz fraca e cheia de excitação. Ela parou e começou sussurrar no meu ouvido enquanto alisava minha buceta:

– Você me ama?

– Sim, eu te amo ? mal conseguia falar.

– Da pra mim aqui, então. Da para sua namorada! Eu amo seu gosto. Ah quero te chupar.

– Agora você não pode é ri para provoca-la ? me toca, já to melada por você.

Virei para o lado do muro, para caso de passar alguém, abria a calça e ela colocou a mão por dentro da minha calcinha e começou a massagear meu grelinho e dizer:

– Eu amo isso, ah. Adoro você raspadinha. Que quente, você ta meladinha mesmo, amor.

Eu apenas gemia. Ela me tocou por um tempo e então foi ate a entrada da minha buceta e enfiou em mim apenas dois dedos em mim, era só isso que a calça permitia. Eu estava quente, ela sentia minha macies. Eu me contorcia e já falava:

– Isso, enfia na sua putinha ? seu olhos brilhava.

– De quem é esse buceta?

– É sua, ahhh, huuum ? meu gemia muito.

– Para de se contorcer, vagabunda é a chuva já tinha cessado ? tem um guarda ali ? começou a falar baixo ? vem guarda, vem ver o que eu to fazendo com ela.

– Eu quero que vejam ? parei para gemer é olha como somos safadas, eu quero que eles sintam inveja.

– Eles sente, você esta me sentido…

Ficamos um bom tempo assim, não gozei porque levaria mais tempo. Já era 20:40h, ela parou chupou os dedos e nos beijamos com seus dedos melados da minha lubrificação. Depois ela me olhou e disse:

– Eu te amo.

– Eu também te amo, minha vida ? Nos abraçamos e nos beijamos.

Fomos para casa, preocupadas porque ficamos ate tarde la e tínhamos horário para chegar em casa. Mas estávamos felizes e nos amando mais.

Até o próximo conto se vocês gostaram desse. Este foi o meu primeiro.

Contos relacionados

Ana Clara E A Dupla Penetração

Ana Clara e a Dupla Penetração Olá Galera. Sou o Carlos Augusto Realto. Esse é mais um conto que escrevo. Porém esse relato esta sendo feito a pedido de uma amiga minha, a Ana Clara. Os nomes são fictícios para preservar os envolvidos,...

Retorno As Aulas (nos Mínimos Detalhes)

Retorno as aulas (nos mínimos detalhes) Já estava a alguns anos nesta empresa, vendo varias oportunidades sendo preenchidas por novatos e quando reclamei pela vaga, me foi dito que apesar de ser um ótimo funcionário eu não possuía um diploma...

A Domicilio?

Faço de tudo um pouco e aproveitando a idéia do marido de aluguel, iniciei a minha pequena empresa. Agradar ao cliente é primordial para uma boa indicação e de boca em boca eu vou fazendo um serviçinho aqui e outro ali. Meu telefone tocou, a senhora...

1º Adultério Com Baita Orgia

1º adultério com baita orgia Olá pessoal... O que vou contar realmente aconteceu e eu não me arrependo, e vocês vão entender o porquê. Em 4 anos de casamento, eu não sabia o que era gozar e me sentir fudida de verdade pois meu marido...

Dominado Pela Terapeuta

A estagiaria sempre me dizia que eu já havia passado da idade e não conseguiria dar conta dela, mas depois de quase seis meses insistindo finalmente eu consegui leva - lá para um motel. Nunca imaginei que aquela novinha fosse tão fogosa e acabei levando...

Um Verão Muito Molhado (verídico)

Numa tarde de verão quente, faz um ano precisamente hoje, Carolina minha melhor amiga faz anos me convidou para mais um lanche em casa dela. Eu e Carolina nunca nos envolvemos, sempre nos consideramos heteros, nem nunca nos ocorreu que tal pudesse acontecer....