Espanhola No Metro

Era greve dos rodoviários e o metro estava super lotado naquele dia, eu havia ficado entre a porta e a cabine final do condutor, entre uma estação e outra era aquele empurra, empurra para entrar e sair da composição, em uma determinada estação uma mulher baixinha forçou passagem para entrar. Eu acabei cedendo o meu lugar para que ela não fica-se sofrendo com o entra e sai da composição durante as paradas na qual a porta abria daquele lado. A nossa diferença de altura associada ao tumulto que estava dentro do metro fez com que o meu pênis fica-se pressionando os seios dela e involuntariamente eu acabei ficando ereto, primeiro foi um leve desconforto para não ficar encostando naqueles seios generosos e depois muita concentração para não ficar olhando para o decote da blusa dela mas, depois de tanto esfrega, esfrega ela acabou ficando excitada. Eu me apoiava na lateral da composição para não esmagá-la e com o balanço do metro e com o empurra, empurra, tirava um sarrinho naqueles seios maravilhosos quando senti uma pegadinha no meu saco, olhei rapidamente para baixo e ela estava com um sorriso no rosto e uma carinha de safada, logo em seguida a mãozinha dela começou a me alisar sobre a calça, desceu meu zíper e introduziu a sua mão, ficou apertando meu pênis enquanto me olhava e mordia os seus lábios a cada pulsação que sentia, depois disso, ela levantou a própria blusa e introduziu meu pênis entre os seus seios e o metro lotado se encarregou de me ajudar a fazer balanço, ela curvou a cabeça para frente, ocultando toda aquela sacanagem dos demais passageiros e ainda tentava passar a lingüinha na cabecinha a cada socada que eu dava passada algumas estações ela sussurrava pedindo para que eu goza-se nos seus seios e eu respondi pedindo para que ela chupa-se, ela curvou um pouquinho os seus joelhos e ficou bem posicionada para engolir, deixou meu pênis todo babado de saliva e tornou a introduzi-lo entre seus seios, desta vez, escorregando melhor, foi inevitável, mas, algumas mexidas e eu jorrei meu esperma sobre seus volumosos seios ela espremeu as ultimas gotinhas contra o bico dos seus seios, baixou a blusa e saiu rapidamente assim que a porta abriu, me deixando com o pênis para fora bem no meio daquela multidão. Tratei de rapidamente guardar e fiquei olhando pela vidraça do metro ela ir embora enquanto a composição ganhava velocidade para prosseguir para sua próxima estação          

Contos relacionados

Luci Jacarei

LUCI JACAREI Ola, meu nome é Luci, morena, casada, e mãe de três filhos todos já adultos e formados. Sou evangélica, moro na cidade de Jacareí-Sp. Sou até certo ponto uma mulher comum: Dona de casa, mãe. Uma mulher simples. Tenho uma boa...

Caiu Na Rede é Peixe

Depois de uma bela manhã ensolarada começou a se formar nuvens escuras ao entardecer anunciando a tempestade que estava por vir. Aos poucos as famílias foram se retirando ate que a praia ficou praticamente deserta restando apenas duas amigas que se...

Serei A Puta Do Meu Filho

Serei a puta do meu filho Sou uma mulher de 56 anos, moro em São Paulo e, como toda mulher da minha idade, tenho meus desejos reprimidos. Sou divorciada e a história que vou contar no início me envergonhava muito, mas senti que seria necessário...

Evangélica Safada

Evangélica Safada Hoje vou contar como conheci uma evangélica daqui da cidade onde moro, no RJ. Conheci Camila (fictício) através de um chat via msg de texo de celular. No início,quando ela me disse que era evangélica e estava noiva, juro que...

Sexo na praia

Somos da zona oeste de Portugal, temos 40 anos. O que vou relatar sucedeu de verdade. Em junho de 2015 alugamos casa de férias em Lisboa, na zona da caparica, a ideia eraa fazer praia. O que vou relatar aconteceu numa das manhãs em que resolvemos fazer uma...

Fernanda, A Esposinha Safada.

Fernanda, a esposinha safada. Estávamos casados há um ano e nossa vida sexual estava indo cada vez pior. Fernanda é uma gata, morena clara, 1,75 e 62 kg, seios grandes e um bumbum delicioso. No começo transamos freqüentemente, mas com o tempo...