A Cadelinha

Chamo-me Kassandra e sou cadela e posse do meu único e amado dono. Neste momento que narro este conto estou sentada naquele meu brinquedo, aquele dono que me deixa toda preenchida do jeito que vc gosta.

Como combinado estava eu pontualmente as 19 horas em frente a porta da sua casa, vestida apenas com um vestido leve preto e de salto alto. Apertei a campainha um misto de ansiedade e expectativa tomou conta de mim como em toda vez que nos encontramos. Abriu a porta e percebendo que eu estava vestida como ordenado abriu um delicioso sorriso. Cadelinha hoje teremos uma noite maravilhosa tenho muitos planos pra você. Seu olhar penetrou em minha alma, um arrepio tomou conta do meu corpo. Nas próximas horas vc sera minha,só minha.tudo o que ?zer será para mim.fara tudo o que eu mandar da melhor maneira possível, do jeito que vc sabe que me da mais prazer, fui claro?

Me levou ate sua sala e vendou meus olhos: cadelinha agora seu corpo me pertence. Eu sorrio um misto de tesão e medo toma conta de mim. Tira o meu vestido de pronto e meu corpo branco ?ca nu a sua frente a merce das suas vontades. Deita me de bruços suavemente nos braços do sofá, sinto a maciez do veludo do sofa na minha pele. Ele acaricia suavemente minhas costas, minha bunda. Da um tapa com força na minha bunda e dou um sobressalto: Adoro essa bunda cadelinha, branquinha, ?cara linda com as marcas de vara que eu deixarei nelas. A cada varada devera dizer a quem pertence cadela. A primeira varada fez um som cortante no ar e uma ardor insuportável na bunda- A quem pertence cadela? A vc meu dono.

A segunda varada pegou entre a coxa e o bumbum um misto de dor e tesao cortou meu corpo. A que pertence cadela? A vc meu dono.

Quinze varadas foram su?cientes para deixar minha bunda branca bastante ardida mas o tesao que sentia também era incontrolável. Minha vontade era gritar, me coma dono meu, preencha minha bunda com seu pau delicioso. Ele sentiu o quanto estava excitada e perguntou se eu queria algo. Sim meu dono quero permissão pra gozar. Um silencio tomou conta da sala.

tive que permanecer deitada, bunda pra cima no braço do sofá, o dono passou seus dedos no meu clitóris, uma explosão muito breve de prazer, antes de acariciar minhas coxas distraidamente. A questão toda de implorar ou não implorar de repente não fazia diferença. Estava tão desesperada para gozar que diria qualquer coisa para que ele me deixasse ter um orgasmo. Minhas mãos estavam fechadas em punhos, mordi meu lábio inferior e ?nalmente, com a garganta seca, consegui dizer: ? Por favor. Seus dedos voltaram para meu clitoris, acariciando gentilmente. Ele estava de?nitivamente esnobe agora. ? Por favor, o quê cadela? O tom de sua voz foi diferente, mais obscuro, e isso me animou ao mesmo tempo em que me deixou com dúvidas. Beliscou meu mamilo, virando-o com força. Meus olhos se encheram de lágrimas e ?quei sem ar de tanta dor. A voz era de comando, não podia ser desobedecida e me deixou ainda mais molhada, mesmo com o nervoso na barriga. ? Por favor, o quê? Meu cérebro congelou. Não sou uma pessoa que ?ca sem saber o que dizer, mas não fazia ideia do que devia responder e estava morrendo de medo de ele me entender mal e demorar ainda mais. Ou, pior ainda, parar. No ?nal, apesar de tudo isso, falei todas as variações que pudessem dar certo. ? Por favor, enãe seu pau em mim. Por favor, me toque. Me deixe gozar, por favor. Por favor. Quando terminei a súplica ?nal, ele começou a me masturbar ? as dedadas fortes e longas que eu tanto queria. Ençou dois dedos em mim e começou a foder com eles, esfregando mais forte e mais rápido até que não consegui mais conter os berros. Tremi, gemi e gozei, pulsando em seus dedos, mãos arranhando o veludo do sofa com a força do orgasmo. Você é uma putinha que gosta de dor, não é, Kassandra? vi você toda molhada, até nas coxas, aí deu pra saber exatamente o quanto estava gostando. Safadinha. Fiquei sem palavras. Acho que consegui falar um “ah”, mas nada mais. Grudou na minha nuca me ergueu pelos cabelos e me pos de joelhos aos seus pés. Tirou a venda dos meus olhos, ele adora ver a expressão do meu olhar a cada momento .Passou os dedos nos meus cabelos e começou a foder com meu rosto na velocidade que queria, indiferente ao meu couro cabeludo dolorido e à luta para respirar à medida que me impulsionava para a frente e para trás no seu pau. Olhei para ele por entre meus cabelos já selvagens e vi que estava observando com cobiça a mistura entre pureza e devassidão vadia que eu apresentava ajoelhada aos seus pés. Continuou grudado aos meus cabelo e a fuder com minha boca, o chupei profundamente, sem deixar cair uma gota assim que gozou. Me pos de quatro no chão como uma verdadeira cadela, minha bunda ardia por conta das varadas, mas eu continuava excitada tendo a visão do seu pau gostoso rijo bem a altura dos olhos. Ajoelhou se atrás de mim- cadela agora vais ter o que merece; e sem aviso prévio ençou seu pau com gosto no meu cu, segurando meu quadril para ter certeza que me comeria o mais forte possível,batendo na minha bunda dolorida a cada pressão.Eu não pensava em nada, apenas respondia a vc e aos seus comandos. Esticou a Mao e começou a me masturbar, gozei abundantemente nas mãos dele no mesmo momento que ele enchia meu cuzinho com sua porra quente. Abro a boca para me desculpar por ter sujado suas mãos com minha porra, mas imediatamente me pega pela nuca e ença o pau pelo meus lábios, me deixando na luta para recebe ló sem me engasgar. Minha boca começa a trabalhar nele, lambo e chupo com vontade, o enão inteiro na boca massageando o com a língua, curto o cumprimento, a grossura e percebo sua respiração mudar. Neste momento o foco do meu mundo todo e ele, meu dono, a sua satisfação. Agora neste momento com a bunda dolorida e seu gosto na minha garganta ele e o centro do meu universo. e como amo isto tudo….

Contos relacionados

A Garota Do Bate Papo

          Esse é o meu primeiro conto (verídico) e para tanto, faço uma breve descrição do meu físico. Moreno, olhos castanhos, 175 mts, 39 anos, corpo em forma, não faço musculação, mas pratico atividade física com regularidade, pós...

Existe Ejaulação Feminina?

Sou a Lu, Advogada, autora do "Primeira e última com um bem dotado". Pois segue meu segundo relato, muito embora, cronologicamente tenha ocorrido aproximadamente 4 anos antes do primeiro conto. Eu tinha 2 anos de casada e somado ao tempo de namoro já se...

Minha Vizinha Gostosinha

Minha vizinha gostosinha Bom tudo começa quando me mudei pra casa da minha tia...onde era mais perto do meu serviço, depois de alguns meses lá reparei que tinha uma vizinha muito linda e gostosa : morena jambo , olhos negros, rostinho de...

Debaixo Do Nariz Do Sogrão

Debaixo do nariz do Sogrão No começo a minha intenção era só ser leitor dos contos aqui postado. Mas resolvi ativar meu lado escritor e contar algumas experiências vividas por mim e minhas parceiras, hoje venho a relatar para vocês leitores...

Torturando Um Estreiante No Swing

Torturando um estreiante no swing A Helen, mesticinha japonesa com cabelos loiros naturais, seios fartos, olhos claros mas o melhor muito sacana, como eu. Em uma de nossas baladas apareceu do nosso lado um rapaz que só faltava tremer ao ver a...

Fernanda, A Esposinha Safada.

Fernanda, a esposinha safada. Estávamos casados há um ano e nossa vida sexual estava indo cada vez pior. Fernanda é uma gata, morena clara, 1,75 e 62 kg, seios grandes e um bumbum delicioso. No começo transamos freqüentemente, mas com o tempo...