A Cerimonia

A pedra era fria como gelo e eu mantinha me prostrada nela mergulhada na penumbra da incerteza

A venda que tinha nos olhos permite-me enxergar um altar antigo de pedra esculpida, onde a cabeça de “Cabires” se salientava . Há um estranho odor a mofo e cera derretida em meu redor.

A única coisa que eu sabia e que era a noite do Ritual negro onde se evocava “Kamlat”.

Estava agrilhoada e embrenhada pelo álcool que me fora dado a sorver. O odor de ervas também se fazia sentir no ar. 

Desejava ser sacrificada pelo meu Dono neste ritual negro. 

Vozes ecoam ao longe, e sinto me presa, incapaz de mover um músculo que seja. 

Cada vez que me tento mover, as  cordas apertam-me e quase me sufocam. 

“Onde estou, meu Amo?”, “Onde está você?”

Escuto gritos no meio de um sibilar horrendo. Sinto o aproximar de uma criatura monstruosa que se baba sobre mim.

É uma cobra gigante com duas cabeças que me pesquisa o corpo de norte a sul. Parece procurar algo, sangue talvez.

as duas cabeças afastam-se e cada uma inicia um ritual viscoso em mim. Uma delas abre a boca e solta uma língua nojenta e trepidante que se introduz na minha boca. A outra, lá mais em baixo, penetra-me a vagina como se procurasse uma alimento.

Sentia o odor da morte a trepar pela minha alma. Mas que aberração era aquela que se deslocava sobre mim, deixando a sua seiva 

sobre o meu corpo desnudado?

Ambas as línguas me penetravam e violavam os orifícios. Estava a ser violada por uma cobra com duas cabeças. Primeiro o horror 

e pânico tomaram conta de mim, mas paulatinamente esses pavores foram dando lugar a um prazer vil e perverso que não pude ignorar. 

Aquelas línguas transformadas em membros possuíam-me de forma nojenta e impiedosa e eu desfazia-me em orgasmos vergonhosos mas inevitáveis. 

Sentia-me perdida, abandonada e receosa, e talvez devido a este cocktail de emoções, acabei por desfalecer. 

Voltei a recobrar os sentidos, mas agora havia um cheiro abundante-  era fragrância da morte. A serpente já não estava ali, mas pelo sangue que escorria por todo o lado, não foi difícil de adivinhar que ela tinha sido retalhada.

No meio da escuridão notei que estava a silhueta de um homem que trajava uma capa negra e capuz. Aproximou-se devagar e pude notar que ostentava uma mascara branca e lisa. Ele não dizia nada,  apenas me penetrava com o seu olhar. Eu estremecia de medo, mas ao mesmo tempo sentia uma profunda inquietação. Num ápice, ele desembainhou um espada de ponta aguçada que que fez planar sobre o meu corpo. 

“Et vis est haec virgo” – Murmurou enquanto brincou com os meus mamilos, usando a ponta da espada.

“Volo sanguinem meum” – Insistiu ele, ao mesmo tempo que que abre uma ferida no seio. È um corte ligeiro mas sinto dor 

“que prazer, sinto meu sangue fervilhar”- penso para mim 

Ela continua, deslizando a lamina pelo meu corpo. desejo que ele me toque com as suas mãos

que me rasgue, mas ele fora mais audacioso e penetra a espada dentro de mim, Sim , tocou-me no clitóris com a ponta afiada,  arranhando no meu botão secreto. Parece que estou prestes a explodir de dor, mas que dor tão boa. Que desejo tão intenso de  morte,  de sofrer.

Sofro quando sinto o sangue a ausentar-se do meu corpo, ao mesmo tempo que ele se monta em mim. 

Penetra-me com o seu membro de carne rija e fode-me barbaramente. 

Gritei  e gemi de dor

“Não!” – supliquei para parar.

Mas ele ignorou e sou quando terminou, ele saiu de dentro de  mim,  recolhendo um pouco do meu  sangue para uma taça de prata, onde misturou com o seu sémen.

Por fim, proclamou algumas palavras imperceptíveis junto ao meu ouvido fez-me sentar à sua frente.

–  bebe, minha mártir – murmurou num tom amistoso.

Bebi.

“Que dádiva é  esta…??”

Nesse momento ele remove a mascara do seu rosto e declara:

“sou o Teu Senhor,  agora bebe a nossa essência, tua alma e minha…”

“Sim, assim estarei eternamente dentro de si…”

Contos relacionados

Ana Clara E A Dupla Penetração

Ana Clara e a Dupla Penetração Olá Galera. Sou o Carlos Augusto Realto. Esse é mais um conto que escrevo. Porém esse relato esta sendo feito a pedido de uma amiga minha, a Ana Clara. Os nomes são fictícios para preservar os envolvidos,...

Comi Minha Prima Gostosa

Vou criar um nome falso aqui por segurança okeyy Meu nome é grego tenho 30 anos moro em são paulo tenho 1.85 de altura. tenho uma prima que sempre me chamou atenção alta 1:76 morena olhos cor de mel cabelo comprido preto ate a cintura...

Finalmente Realizamos Nossa Fantasia

Finalmente realizamos nossa fantasia Gostaria de contar a historia verdadeira que aconteceu com nós,Ja que a historia anterior, era só da nossa imaginação mas esta não foi sonho REALMENTe ACONTECEU. Bem somos casado, de um tempo para ca...

Minha Tara (1)

Sou leitor assíduo dos contos sensuais e eróticos... primeiro por que sou estudioso do assunto  e  em segundo gosto de analisar as tendências sexuais por fetiche. Tenho visto alguns  lugares comuns que chegam a enojar, tipo:?...primeiro deixa eu me...

1º Adultério Com Baita Orgia

1º adultério com baita orgia Olá pessoal... O que vou contar realmente aconteceu e eu não me arrependo, e vocês vão entender o porquê. Em 4 anos de casamento, eu não sabia o que era gozar e me sentir fudida de verdade pois meu marido...

Mestiça Carente

Olá, me chamo Adriane, tenho 29 anos, mestiça, 1.55 de alt, não sou magra nem gorda, tenho um corpo ideal, peitos médios e um bundo bem farta! Bem vou relatar uma história real, aconteceu comigo em 2011. Sou casada, meu marido e eu passávamos por um...